Rádio Observador

Coreia do Sul

Presidente da Coreia do Sul quer abandonar o cargo

Park Geun-hye revelou que queria abandonar o cargo antes de terminar o mandato e pediu ao Parlamento para preparar a sua saída. Park esteve envolvida num caso de de tráfico de influências e fraude.

O mandato da Presidente termina dentro de 15 meses

CHUNG SUNG-JUN / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Park Geun-Hye disse que quer deixar o cargo antes do fim do mandato, em 2018, e pediu ao parlamento para preparar a transição. “Quando os deputados tiverem determinado as condições para uma passagem de poder que minimize qualquer vazio de poder e o caos na governação, eu saio”, disse, numa declaração país transmitida pela televisão. “Deixarei a questão da minha saída, incluindo a redução do meu mandato, a uma decisão da Assembleia Nacional”, afirmou.

Park Geun-Hye foi envolvida pelo Ministério Público do país num caso de tráfico de influências e fraude protagonizado por uma amiga sua e centenas de milhares de pessoas saíram às ruas nos últimos cinco fins de semana para pedir a demissão da Presidente, naquelas que são já as maiores manifestações na Coreia do Sul desde os protestos pró-democracia da década de 1980.

A indignação, incluindo de membros do próprio partido da Presidente, tem por base a ideia de que Park foi manietada durante o seu mandato por uma amiga, Choi Soon-sil, acusada de corrupção e tráfico de influências.

A Procuradoria da Coreia do Sul revelou que a Presidente teve um papel “considerável” no escândalo e acusou formalmente Choi Soon-sil e dois antigos assessores presidenciais, indicando que Park cooperou com a amiga e os outros dois ex-colaboradores, que são suspeitos de terem pressionado mais de 50 empresas do país a doar 65,7 milhões de dólares (62 milhões de euros) a duas fundações.

Na quinta-feira, a principal força da oposição da Coreia do Sul, o Partido Democrático, anunciou que vai apresentar, no início de dezembro, uma moção parlamentar para acionar o processo de destituição de Park Geun-hye.

O escândalo “Choi Soon-sil Gate” reduziu a taxa de aprovação da Presidente a 5%, o valor mais baixo alguma vez alcançado por um chefe de Estado na Coreia do Sul desde que o país alcançou a democracia no final da década de 1980. O mandato da Presidente termina dentro de 15 meses.

Caso Park se demita antes, a lei obriga a eleições no prazo de 60 dias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)