A Guiné-Bissau registou 11 casos de microcefalia em recém-nascidos desde o início do ano provocados pelos vírus Zika, Dengue e Chicungunha, anunciou esta segunda-feira o diretor do Instituto Nacional de Saúde do país, Plácido Cardoso.

Houve mais de 30 casos enviados para análise e dos 19 já concluídos há 11 confirmados, alguns devido a Zika, outros devido a Dengue e Chicungunha”, referiu aquele responsável aos jornalistas.

As análises foram feitas pelo Instituto Nacional de Serologia da Dinamarca e pelo Instituto de Medicina Tropical da Bélgica. Os casos são provenientes das ilhas Bijagós, Gabu, Bafatá e da capital, Bissau. Plácido Cardoso aconselhou à limpeza das zonas em redor das habitações como a melhor forma de prevenir a infeção por vírus transportado por mosquitos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou a 18 de novembro que o vírus Zika, associado a graves anomalias cerebrais em recém-nascidos, deixou de ser uma “emergência de saúde pública” a nível mundial.

O vírus Zika continua a ser um problema extremamente importante a longo prazo, mas já não é uma emergência de saúde pública de alcance mundial”, declarou o presidente do comité de urgência da Organização Mundial de Saúde sobre o Zika.