A entidade reguladora para a segurança automóvel dos EUA apresentou uma proposta que visa obrigar todos os automóveis novos vendidos naquele país a estarem equipados com sistemas de comunicação veículo-para-veículo (V2V), sublinhando o potencial desta tecnologia para reduzir acidentes.

A proposta foi hoje tornada pública pelo Departamento dos Transportes dos EUA, e pretende que todos os automóveis ligeiros novos passem a contar com sistemas de comunicação de curto alcance dedicados, capazes de transmitir e receber mensagens relativas à velocidade dos veículos, sua localização, travagem e outros dados afins. Tais sistemas permitirão aos automóveis comunicar, quer com outros veículos que circulem na via, quer com a própria infraestrutura, de forma a que os condutores possam “ver” para além das curvas ou outros obstáculos visuais, assim como alertá-los para potenciais situações de acidente.

Ao abrigo desta proposta, e caso a mesma venha a traduzir-se em letra de lei, os fabricantes serão obrigados a equipar metade de todos os automóveis por si produzidos com esta tecnologia no prazo de dois anos após o organismo responsável pela segurança rodoviária nos EUA, a National Highway Traffic Safety Administration, publicar a regulamentação definitiva relativa a esta matéria. Os sistemas serão obrigados a utilizar um conjunto comum de protocolos de comunicação para garantir que todos os veículos “falam” a mesma linguagem.

Adicionalmente, o Departamento de Transportes estadounidense fez saber que tem planos para emitir, em breve, as suas recomendações relativas às comunicações entre veículos e as infraestruturas viárias.