Volta a estalar o verniz entre PCP e Bloco de Esquerda. Os comunistas não gostaram do voto de condenação apresentado pelos bloquistas na Assembleia da República aos ataques das forças fiéis a Bashar-al-Assad e decidiram “desmascarar as provocações e as falsidades” do documento que repudia os bombardeamentos e os crimes contra as populações na cidade de Alepo, na Síria. No hemiciclo, o PCP votou contra.

De acordo com a declaração de voto, o PCP acredita que “o que está acontecer em Alepo é a libertação da cidade e dos seus habitantes dos grupos terroristas que há anos, apoiados e suportados pelos EUA e seus aliados, os utilizam para alcançar os seus objectivos, ou seja, destruir aquele país.

O PCP mostra bem de que lado está denunciando, mais uma vez “uma cruel guerra de agressão protagonizada por grupos armados, criados, pagos e apoiados pelos Estados Unidos, as grande potências da União Europeia – como o Reino Unido e a França – e os seus aliados na região, como a Turquia, Israel, a Árabia Saudita ou o Catar.” Os comunistas consideram esta uma “guerra de agressão que, na senda da destruição do Iraque e da Líbia” que desrespeita “os mais fundamentais direitos do povo sírio e o Direito Internacional.”

Por ser “solidário com a resistência da Síria e do seu povo em defesa da sua soberania e integridade territorial”, o “PCP não esconde, e por isso não é conivente, nem é cúmplice, com os agressores e as suas monstruosas criações.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para os comunistas “equiparar a ação agressiva dos Estados Unidos, da NATO, das grandes potências da União Europeia e seus aliados, à postura de outros países que se posicionam, agem e articulam no plano internacional no respeito da Carta das Nações Unidas e apoiam povos e Estados vítimas do bloqueio, desestabilização e agressão, seria fazer o jogo dos verdadeiros agressores, branqueando os seus crimes e responsabilidades.” Ou seja: para o PCP os bombardeamentos do governo Sírio e da Rússia não devem ser equiparados aos da NATO.

Os comunistas lembram que “coerentemente e da mesma forma que o fez relativamente às guerras de agressão contra o Iraque e a Líbia e os seus povos, o PCP, desde o primeiro momento, denunciou e condenou a guerra de agressão que se abateu sobre a República Árabe Síria e o povo sírio, com o seu cortejo de hediondos crimes, brutais violações dos direitos humanos, morte, sofrimento e destruição.”