Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Milhares de trabalhadores com baixa médica, a receberem subsídio por doença, foram convocados para ações de verificação e concluiu-se que perto de 21%, foram considerados aptos para o trabalho, pelo que deixaram de receber o subsídio. Os dados, relativos a 2016, foram avançados pela TSF.

O gabinete da secretária de Estado Cláudia Joaquim, do Ministério da Segurança Social, revela que houve um reforço da ação das juntas médicas da Segurança Social, incluído no plano de combate à fraude e evasão das contribuições e prestações. Na mesma peça, a rádio destaca que milhares de trabalhadores com baixa médica, a receberem subsídio por doença, foram convocados para ações de verificação, numa ação de inspeção extraordinária que teve como alvo os trabalhadores de baixa que há 40 ou mais dias não eram sujeitos a qualquer exame por parte do Serviço de Verificação de Incapacidades Temporárias.

No âmbito desta inspeção foram convocados 21 mil trabalhadores, sendo que cerca de 16% não compareceram, ou porque já tinham regressado ao trabalho ou faltaram com justificação. No total e segundo os dados oficiais foram avaliados 17518 beneficiários do subsídio de doença e destes, 3735, perto de 21%, foram considerados aptos para o trabalho, pelo que deixaram de receber o subsídio.

Ao somar as inspeções extraordinárias às inspeções regulares, o resultado obtido é similar. Das 262 mil inspeções em 2016 (mais 19% do que no ano anterior), concluiu-se que 22% destes trabalhadores de baixa foram considerados aptos para o trabalho.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR