Rádio Observador

Hepatite C

Governo chega a acordo com farmacêuticas para tratar 15 mil doentes com Hepatite C

433

O Ministério da Saúde chegou a acordo a Gilead e passam a estar disponíveis oito medicamentos para os doentes com hepatite C. Foram autorizados mais de 15 mil tratamentos.

Mais de 5.000 doentes curados graças aos medicamentos inovadores

Paulo Spranger

Autor
  • Marlene Carriço
Mais sobre

Quando passam dois anos sobre o acordo alcançado entre o Estado português e a farmacêutica Gilead para a comparticipação dos dois primeiros medicamentos antivíricos de ação direta para o tratamento da hepatite C — o Sovaldi (sofosbuvir) e o Harvoni (sofosbuvir+ledispavir) –, e findo o prazo de validade desse acordo, volta a haver fumo branco. O Governo chegou a acordo com a Gilead esta sexta-feira. Ao todo, e contando com os acordos já fechados este ano com outras três farmacêuticas, passam a estar disponíveis para os doentes oito medicamentos diferentes, informa o Infarmed, em comunicado.

“Neste momento foram autorizados mais de 15 mil tratamentos, ultrapassando-se as previsões iniciais de 13 mil para dois anos”, revela a Autoridade do Medicamento, acrescentando que “foi ainda obtida aprovação da utilização no SNS de um novo medicamento para o tratamento de todos os genotipos do vírus da hepatite C”.

O Infarmed sublinha que “a decisão de tratar todas as pessoas infetadas pelo vírus da Hepatite C, faz com que Portugal seja um dos primeiros países europeus, e mesmo a nível mundial, a implementar uma medida estruturante para a eliminação deste grave problema de saúde pública.”

Mais de 5.200 doentes curados graças aos medicamentos inovadores

Até esta sexta-feira já tinham iniciado tratamento 10.168 doentes, e, considerando o protocolo completo, 5.249 estavam curados e 192 não curados. Excluindo os que ainda se encontram em tratamento, a taxa de cura é de 96,5%, segundo a Autoridade Nacional do Medicamento.

Em 2015, quando o acordo entre o Governo e a Gilead foi assinado, não foi divulgado o valor pago por doente tratado, mas o ministro da Saúde de então, Paulo Macedo, referiu que se tinha chegado “a um valor médio por doente que, como a própria Gilead disse há dois dias, é um desconto que será mais do dobro daquele que foi anunciado” inicialmente. Portanto, se no início se falava num custo por tratamento de 48 mil euros, conclui-se das palavras do governante que o tratamento por doente teria ficado abaixo dos 24 mil euros.

O acordo marcou também um momento de viragem em termos de negociações com farmacêuticas. Pela primeira vez, o Governo português conseguiu que uma empresa farmacêutica aceitasse partilhar o risco. Ficou definido que caso um doente não ficasse curado, o laboratório oferecia outro tratamento gratuito. Além disso no acordo assinado ficou explícito que o Estado pagaria por doente tratado.

“Independentemente de o doente ser tratado em oito, 12 ou 24 semanas, o Governo pagará sempre o mesmo”, esclareceu Paulo Macedo.

Agora, fechado o acordo com as farmacêuticas, o Infarmed volta a não avançar com o preço dos medicamentos, mas frisa que “as condições negociadas são favoráveis, já que a concorrência gerada veio reduzir substancialmente os preços destes medicamentos, permitindo o tratamento de todos os doentes que deles necessitam e garantindo a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)