Rádio Observador

PALOP

Remessas dos emigrantes nos PALOP caíram 3,4% para 216 milhões no ano passado

As remessas dos emigrantes que estiveram no ano passado a trabalhar nos PALOP caíram 3,43%, para 216,4 milhões de euros, enquanto os imigrantes lusófonos enviaram 45,4 menos 10,9% em 2015.

As remessas dos emigrantes que estiveram no ano passado a trabalhar nos PALOP caíram 3,43%, para 216,4 milhões de euros, enquanto os imigrantes lusófonos enviaram 45,4 milhões, menos 10,9% que em 2015.

De acordo com os dados do Banco de Portugal, divulgados esta terça-feira, no boletim estatístico, os emigrantes portugueses nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) enviaram para território nacional 216,4 milhões de euros, o que revela uma quebra de quase 3,5% face aos 224,16 milhões que tinham enviado em 2015, um ano já com transferências menores que em 2014, quando os portugueses enviaram 257,4 milhões de euros.

A quase totalidade destas verbas vieram dos portugueses a trabalhar em Angola, que transferiram para o seu país 205,8 milhões de euros, o que mostra uma quebra de 3,39% face aos 213,1 milhões enviados em 2015. Angola, de resto, representa uma enorme fatia das transferências totais, sendo que o segundo país lusófono de onde vieram mais verbas é o Brasil, com 21,1 milhões enviados, muito abaixo dos quase 206 milhões provenientes de Angola.

Os imigrantes brasileiros em Portugal, por seu lado, enviaram 229 milhões de euros para o Brasil (menos 1% que em 2015), muito acima do conjunto dos trabalhadores africanos lusófonos, que no total enviaram 45,4 milhões, menos 11% que em 2015, com especial destaque para os angolanos e cabo-verdianos. No total mundial, as remessas dos emigrantes aumentaram 0,83%, para 3.343 milhões de euros, ao passo que o dinheiro enviado pelos estrangeiros a trabalhar em Portugal subiu 2,16%, para 533,9 milhões de euros.

As remessas dos emigrantes portugueses passaram de 3.315,6 milhões de euros, em 2015, para 3.343,2 milhões de euros, durante o ano passado. Em sentido inverso, as remessas enviadas pelos imigrantes em território português passaram de 522,61 milhões de euros, em 2015, para 533,9 milhões, no ano passado.

Os emigrantes portugueses em França lideraram as remessas em volume, tendo remetido para Portugal 1.122,6 milhões de euros no ano passado, o que revela uma subida de 8,7% face aos 1.033,1 milhões de euros enviados em 2015. A Suíça, de onde os emigrantes enviaram 697,2 milhões de euros no ano passado, registou uma quebra nas remessas, já que em 2015 tinha sido a origem de 851,2 milhões de euros, o que revela uma quebra de 18,1%.

Remessas de………..Milhões……%
Angola……………..205,8…..-3,39
Brasil………………21,2……6,27
Cabo Verde…………..1,74……6,10
Guiné Equatorial……..0,07….-41,67
Guiné-Bissau…………2,22….-15,91
Moçambique…………..6,13…..-1,13
São Tomé e Príncipe…..0,49….-14,04
Fonte: Boletim Estatístico, BdP

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)