A 5 de janeiro, Hélder Bataglia, ex-líder da Escom e representante do Grupo Espírito Santo (GES) em África, era interrogado pelos procuradores Rosário Teixeira e Ana Catalão, no Departamento de Ação e Investigação Penal (DCIAP), para responder às perguntas dos investigadores sobre as transferências de milhões de euros para as contas suíças alegadamente controladas por Joaquim Barroca e Carlos Santos Silva, suposto testa-de-ferro de José Sócrates e suspeito na Operação Marquês.

Nesse interrogatório, citado extensivamente pela revista Sábado na edição desta quinta-feira, o empresário luso-angolano confirma que, por ordem expressa de Ricardo Salgado, fez transferências de 12 milhões de euros para Santos Silva, explica como conheceu o empresário amigo de José Sócrates e José Paulo Bernardo Pinto de Sousa, primo do ex-primeiro-ministro e também ele um alegado testa-de-ferro de José Sócrates, e explica o porquê de nunca ter feito perguntas sobre as transferências:

Vou-lhe dizer: em 2008, o dr. Ricardo Salgado pedir-me uma coisa dessas, para mim, era um favor que lhe estava a fazer (…) E não se dizia não ao dr. Ricardo Salgado naquela altura, como deve saber”, terá respondido Bataglia, no interrogatório citado pela revista Sábado.

Tal como já tinham escrito o Observador e o Expresso, o ex-líder da Escom terá afirmado ao procurador Rosário Teixeira que o seu papel na transferência de 12 milhões foi puramente instrumental, já que apenas se limitou a satisfazer um pedido do seu então amigo e líder do BES sem perguntar o objetivo final da cedência desse dinheiro.

No interrogatório citado pela revista Sábado, o empresário luso-angolano explica como tudo aconteceu e coloca ónus diretamente em Ricardo Salgado.

“Estas operações foram muito simples: foi o dr. Ricardo Salgado que, numa das minhas vindas a Portugal, pediu para eu passar lá no banco e pediu-me se podia fazer um favor, porque tinha uns compromissos em que tinha de pagar cerca de 12 milhões de euros. Disse-me se eu conhecia o Carlos Santos Silva, eu disse que sim, se tinha conta na UBS, eu também disse que sim, e se eu podia fazer esses pagamentos. Eu disse ‘sim, Ricardo, se precisas eu faço. Desde que me transfiras o dinheiro, eu faço esses pagamentos'”, terá dito Bataglia, segundo aquela publicação.

O que motivava estas transferências? Bataglia nunca terá perguntado. “[Ricardo Salgado] não me deu detalhe nenhum, nem eu lhe perguntei. Na altura, como deve saber, eram coisas que não se perguntavam ao dr. Ricardo Salgado, não é? Ele pedia-me, eu devia-lhe favores, o maior de todos era apoiar-me na Escom, o segundo era se ele cumpria e me pagava as minhas compensações pelo que eu tinha feito [no BESA]”, terá dito Hélder Bataglia, de acordo com a revista.

Mais à frente, Bataglia terá acrescentado: “Acho que nestas coisas não devemos interpelar nem uma parte nem a outra. Cumpri instruções. (…) Não interpelei o dr. Ricardo Salgado e implementei as instruções que ele tinha pedido. Isso é que é um facto”.

O triângulo Salgado, Bataglia e Carlos Santos Silva

O interrogatório continuou, com o procurador Rosário Teixeira a querer saber mais detalhes sobre as ligações entre Hélder Bataglia, Carlos Santos Silva e José Paulo Bernardo Pinto de Sousa. Segundo escreve a mesma publicação, Bataglia assume ter conhecido Santos Silva por intermédio do primo de José Sócrates. Como terá lembrado o próprio aos procuradores, Bataglia tem uma filha com uma prima de José Sócrates. Os três foram-se cruzando em alguns eventos familiares.

Na posse desta informação, Salgado terá pedido a Bataglia que entrasse em contacto com Carlos Santos Silva para proceder às transferências. Bataglia pediu a José Paulo Bernardo para marcar um encontro entre ele e Santos Silva. Terá sido nesse encontro, que o alegado testa-de-ferro de José Sócrates entregou a Bataglia um “papelinho”, cita a revista Sábado, com “umas contas” para onde deveria seguir o dinheiro.

Segundo a mesma publicação, Hélder Bataglia terá ainda revelado no interrogatório que não sabia que estava a transferir dinheiro para contas em nome de Joaquim Barroca, administrador do Grupo Lena, amigo de José Sócrates e também ele arguido na Operação Marquês.

Barroca será, alegadamente, um dos elos que ligam os 12 milhões de euros saíram de uma conta no Banque Privée Espírito Santo, na Suíça, em nome da Espírito Santo Enterprises, a Carlos Santos Silva, alegado testa-de-ferro de José Sócrates. Na verdade, os investigadores acreditam quem quem controlava verdadeiramente aquelas contas em nome de Barroca era Carlos Santos Silva, que depois dava continuidade ao fluxo financeiro, cujo destinatário final seria, alegadamente, José Sócrates.

A defesa de Salgado

A versão de Ricardo Salgado, contudo, é diametralmente oposta. Quando foi apresentado a interrogatório, a 18 de janeiro, o ex-líder do BES negou de forma taxativa que tivesse ordenado ou pedido a Hélder Bataglia qualquer pagamento a Carlos Santos Silva, acrescentando que, além de nem sequer conhecer o alegado testa-de-ferro de José Sócrates, Bataglia nunca lhe tinha falado das suas relações familiares, que Salgado considerou estreitas, com a família Pinto de Sousa e com José Sócrates.

Mais: Ricardo Salgado acrescentou que, aquando do colapso do GES, terá descoberto um autêntico “filme de terror”. Em vez de investir o dinheiro que recebia da ES Enterprises nas despesas necessárias para a obtenção de poços de petróleo, uma parte do plano de expansão do GES em África, Bataglia, segundo Salgado, teria alegadamente desviado esses fundos “nas nossas costas” para outra finalidade. “Nunca, na minha vida, pensei que isso pudesse acontecer”, afirmou o ex-banqueiro ao procurador Rosário Teixeira.

O negócio de Vale do Lobo

A determinada altura do interrogatório de Hélder Bataglia, continua a Sábado, o procurador Rosário Teixeira terá confrontado o ex-líder da Escom com perguntas sobre o papel da Caixa Geral de Depósitos e de Armando Vara no negócio de Vale do Lobo, no Algarve — que a Caixa financiou quando Vara era administrador do banco e que resultou em perdas de mais de 100 milhões de euros para o banco público.

Segundo a revista Sábado, o empresário luso-angolano Hélder Bataglia, presidente do conselho de administração da Vale do Lobo Empreendimentos, terá confirmado que cada um dos acionistas investiu cerca de 1,2 milhões de euros — um valor que o Ministério Público considera estranho, dado o volume total do investimento: 230 milhões de euros, praticamente financiados na totalidade pela Caixa Geral de Depósito.

Rosário Teixeira terá então perguntado: “Da sua experiência na área imobiliária e até bancária com o BESA, faz algum sentido este negócio em que a Caixa entra com 97,5% dos capitais e fica só com 25% do capital?”. Segundo a Sábado, Bataglia respondeu, argumentado, entre outras coisas, que naquela altura fazia parte da estratégia das instituições financeiras garantir que os acionistas portugueses ficassem com ativos estratégicos.

No entanto, e pouco depois de terem adquirido Vale do Lobo, os acionistas precisaram novamente de financiamento para adquirirem um terreno vizinho chamado Vale de Santo António. Com um pormenor importante para a investigação: os terrenos do Vale de Santo António pertenciam a Diogo Gaspar Ferreira, administrador do Vale do Lobo.

De acordo com a Sábado, Hélder Bataglia foi confrontado com esta informação, mas negou ter qualquer conhecimento sobre isso. “Não [sabia], estou a ouvir isso pela primeira vez”, terá dito o empresário.

Contam-se agora 23 arguidos da Operação Marquês, que envolve o antigo primeiro-ministro José Sócrates. O Ministério Público desconfia de alegados pagamentos do GES a Sócrates como alegada contrapartida pelo apoio que o seu Governo deu à família Espírito Santo nos dossiês da PT. A Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, prorrogou a investigação até 17 de março mas não anunciou, oficialmente, se nessa data será deduzida acusação.