Rádio Observador

Bares

Letraria. Um jardim de cerveja artesanal no coração do Porto

523

Duas salas, dois bares e um jardim amplo (e secreto). A Letraria abriu a 10 de março na Baixa do Porto com tudo isto, 50 cervejas artesanais e pratos que incluem uma sanduíche feita em cerveja preta.

Na Rua da Alegria, no Porto, há mais caos do que alegria, com os carros parados no trânsito e as obras ocasionais no pavimento ou em alguns prédios. É difícil imaginar que, nas traseiras do número 101, há um jardim amplo com um chafariz, laranjeiras e outras árvores, várias mesas, gatos que por ali passam e um mural com um homem barbudo deitado de barriga para o ar. Tudo convida ao descanso. Há um ano, o Observador descobriu esse jardim com a abertura de uma casa de chá e cultura, que acabou por fechar portas. A partir de agora, nesse mesmo número 101 mora o primeiro beer garden da Invicta.

Francisco Pereira e Filipe Macieira são os responsáveis pela nova Letraria – Craft Beer Garden, um projeto da cervejeira artesanal minhota Letra, que os dois lançaram em 2013. Dois anos depois, os dois ex-investigadores em bioengenharia abriram um brewpub — termo que se refere a bares que servem cerveja fabricada no próprio local — em Vila Verde, com restaurante e visitas guiadas à fábrica incluídas. Consolidado o projeto — é um dos restaurantes obrigatórios em Vila Verde –, chegou a hora de expandir o conceito até à Invicta, onde a cerveja Letra tem bastante procura.

Quem olha para a entrada do pequeno prédio não vai conseguir perceber que há um tesouro escondido nas traseiras. A primeira sala tem um pequeno bar para os 10 lugares sentados que ali existem. Só depois de descer as escadas da casa renovada é que se chega à sala principal, com outro bar, 35 lugares sentados e desenhos na parede a explicar como é feita a cerveja artesanal Letra, desde a moagem do cereal até à rotulagem. Depois, há uma pequena esplanada. Et voilà, o jardim, que a equipa da Letra renovou. A iluminação noturna será colocada em breve, bem a tempo das noites quentes que se perspetivam com o aproximar da primavera.

Francisco Pereira (à esquerda) e Filipe Macieira lançaram a Letra em 2013. Foi este jardim que os levou a escolher a morada da nova Letraria. (foto: © Patrick Esteves / Divulgação)

Na Letraria há 50 referências de cerveja artesanal — 30 em garrafa ou lata e 20 de pressão. Dessas 20 referências de pressão, 16 são portuguesas. Sim: apesar de o espaço ser da Letra, a concorrência é bem-vinda. “Temos amizade com outras marcas e temos uma seleção muito diferente, mas todas com o mesmo nível de qualidade”, explica Filipe Macieira, que considera que falar em concorrência nem faz sentido. “Há um sentimento de comunidade porque o consumidor da cerveja artesanal é curioso, quer experimentar.”

Depois, há quatro torneiras reservadas para a cervejeira dinamarquesa Mikkeller, em parceria com o Art Beer Fest, que se dedica a organizar eventos de cerveja artesanal em Portugal e a divulgar as marcas portuguesas no estrangeiro. Ainda há outras quatro torneiras à espera de barris, pelo que Filipe Macieira admite que, dadas as boas relações com várias cervejeiras estrangeiras, é possível que haja sempre novidades para provar.

As cervejas de pressão vão desde os 2€ aos 5€ (copo de 20cl) e o grau de teor alcoólico varia entre os 4,6% (Letra A) e os 12% (Barbudo Grape Ale). Há um menu de degustação de seis cervejas à escolha por 9€ (copos de 15cl). Já nas garrafas, os preços começam nos 3€ (Letra A) e vão até aos 11€ que custa a Mikkeller maturada em barrica de Cabernet Sauvignon. Sim, que as cervejas artesanais são pródigas em experiências que levam a diferentes sabores. “Temos edições em garrafa maturadas em barrica de Vinho do Porto e Moscatel”, acrescenta o responsável. Nas garrafas, o teor alcoólico tem opções dos 0,3% até aos 17%. Os celíacos vão gostar de saber que há uma opção sem glúten.

As cervejas de lata não devem ser olhadas com desdém. Uma das mais caras, que custa 9€, vem na lata e isso pode não ser tão bonito quanto beber de uma garrafa de vidro mas, no caso da cerveja artesanal, pode ser sinónimo de maior qualidade e preservação de sabor, explica o engenheiro. Por falar em qualidade, os dois investiram numa câmara frigorífica para conservar os barris de cerveja a dois graus centígrados, que nos locais habituais costumam ser vistos à temperatura ambiente. “Isso garante consistência nos sabores e na qualidade”, explica.

O pequeno bar da entrada não deixa adivinhar que há outro bar no andar debaixo e um jardim. (foto: © Patrick Esteves / Divulgação)

A inauguração oficial da Letraria está marcada para sábado, 18 de março, apesar de o espaço já estar aberto há cinco dias. Filipe, que também tem um curso de sommelier, explica que ali também se faz harmonização com alguns pratos e petiscos. Nas entradas, há tábuas de queijo e enchidos (9,50€) com presunto e salpicão de Montalegre, queijo Chévre, queijo da Serra, queijo Azul de ovelha e queijo de cabra com chili e paprika. Os croquetes (3,50€ seis unidades) são de carne de novilho com queijo flamengo derretido.

Tentamos que todos os ingredientes sejam regionais“, sobretudo da zona Norte, explica o responsável. “É tudo feito por nós“, acrescenta, dos croquetes à carne dos hambúrgueres. Há o normal, feito com 100% carne de novilho, cebola caramelizada, bacon, queijo edam, queijo azul e alface, e o vegetariano, à base de grão-de-bico e cogumelos Portobello, com ovo estrelado, queijo edam, queijo brie, alface, tomate e ketchup de caril. É servido com batata frita com casca e molho especial. Ambos custam 8€.

O “Bife à Letra” (11€), por exemplo, é um naco de 250 gramas de novilho com três molhos à escolha, entre molho três pimentas, molho de queijo ou molho picante, e servido com batata frita com casca. A sanduíche Stout (6€) é feita com pá de porco estufada em cerveja preta Letra C , desfiada e servida em pão de lenha, com salada de cenoura, couves branca e roxa, com molho de maionese e iogurte. Nas sobremesas, atenção à mousse de chocolate com Stout, acompanhada por bolacha de drêche, o cereal usado no processo cervejeiro da Letra.

Uma das cervejas disponíveis é sem glúten. (foto: © Patrick Esteves / Divulgação)

Há um par de anos que a cerveja artesanal conquistou o seu espaço na cidade. Em março de 2015 abriu o Catraio, o primeiro bar de cerveja artesanal do Porto, na Rua de Cedofeita. “Tens cada vez mais consumidores a preferirem a qualidade”, explica Filipe, que continua a ver o número de potenciais clientes a crescer.

Até ao aparecimento da Letraria, a mais recente paragem obrigatória dos amantes da cerveja artesanal era a Fábrica da Picaria. As portas desta Fábrica que, como o nome indica, ficam na Rua da Picaria, abriram-se em janeiro e o espaço, com dois andares e terraço incluído, tem a particularidade de não vender cerveja engarrafada. Isto porque chega ao copo diretamente das cubas (reservatórios onde a cerveja é fermentada), já que é ali mesmo que é produzida.

Para breve está a abertura da Fábrica de Cervejas Portuense, na Rua de Sá da Bandeira, também na Baixa da cidade. Projeto ambicioso de Tiago Talone e Pedro Mota, a cerveja fabricada na casa será apresentada em abril e o espaço contará com bar, restaurante e loja, num investimento de três milhões de euros e que criará mais de 50 postos de trabalho, conforme anunciado pela Câmara do Porto em junho do ano passado.

Nome: Letraria – Craft Beer Garden Porto
Morada: Rua da Alegria, 101, Porto (Baixa)
Telefone: 93 934 8069
Horário: Segunda, quarta e quinta-feira das 17h às 00h. sexta e sábado das 17h às 00h e domingo das 16h às 23h. Encerra à terça-feira
Site: www.facebook.com/letrariacraftbeergardenporto

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)