A Google tem marcado o calendário com datas e homenagens especiais – e esta sexta-feira, dia 31 de março é um desses dias em que os utilizadores do motor de busca são surpreendidos com mais um ‘doodle’. O de hoje é dedicado ao ballet russo, ou melhor, a Sergei Diaghilev, o criador de Ballet Russes, a primeira grande companhia independente de bailado do mundo.

Neste dia, há 145 anos, nascia no seio de uma família russa abastada aquele que viria a ser o visionário do ballet russo, o epicentro de toda a elegância do clássico estilo de dança. Visto como um homem de talento ilimitado, tal como conta a revista Time, Diaghilev fundou em 1909 a companhia Ballets Russes, em Paris. Esta foi considerada a mais influente companhia de ballet do século XX. E não era para mais, nomes como a prima ballerina Anna Pavlova ou Vera Karalli as mais famosas bailarinas dos séculos XIX e XX, ou ainda o pintor Pablo Picasso, participaram muitas vezes nas ‘obras’ de Sergei Diaghilev.

Sergei Diaghilev, em 1924 (Créditos: Sasha/Getty Images)

Detalhes como as coreografias arrojadas – pelo menos para a época -, as vistosas indumentárias das bailarinas ou ainda os cenários elaborados e executados por grandes artistas da época, Picasso por exemplo, moviam multidões e apaixonavam outras tantas com os bailados da sua companhia.

A BBC fez um documentário com imagens de arquivo da companhia:

Sergei enfrentou, contudo, cenários conturbados como a sua homossexualidade assumida. Ainda assim o visionário russo nunca escondeu a sua orientação sexual e é considerado o primeiro ‘gay’ assumido aceite pela sua época. O caso mais polémico foi com o principal bailarino da sua companhia, Vaslav Nijinsky. No entanto este acabou por casar com uma mulher.

Sergei Diaghilev, apesar da sua vida de estrelato, morreu sozinho e arruinado em Itália, a 19 de agosto de 1929, vítima de diabetes. Ainda assim sua marca está ainda hoje presente nos palcos do ballet clássico.