Rádio Observador

Doodle

Doodle do dia é dedicado às Gemínidas. Saiba como ver a última chuva de estrelas do ano

3.267

Este ano, o evento ilumina o céu na noite desta quinta-feira até à madrugada de sexta. É a última chuva de estrelas do ano e inspira o doodle do dia da Google. Saiba como a ver em três passos.

Imagem do Doodle do dia 13/12/2018, representante da Chuva de Meteoros Geminídeos

O ano está a acabar, mas ainda há uma última chuva de estrelas que nos vai voltar a colocar de olhos postos no céu na noite desta quinta-feira (dia 13) para sexta-feira (dia 14). Trata-se, na verdade, da chuva de meteoros das Gemínidas, que ocorre todos os anos em meados de dezembro, quando a Terra passa por uma massa de sedimentos espaciais que entram em combustão ao contactarem com a atmosfera do planeta.

Foi a pensar num dos eventos astronómicos mais especiais do ano, que a Google criou um doodle interativo que contém sete slides que contam através de imagens o percurso dos meteoros até ao momento em que entram na atmosfera da Terra. Basta entrar na página inicial do motor de busca e partir à descoberta.

No pico desta chuva de meteoros caem 120 estrelas cadentes por hora, sendo esta a melhor altura para assistir ao fenómeno. Mas, há um problema: este ano, esse momento vai ocorrer por volta das 12h30 desta sexta-feira, ou seja, quando ainda é de dia. Até mesmo na noite anterior pode ter algumas dificuldades, se estiver em Portugal, tendo em conta que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê céu nublado para todo o país. Ainda assim, se tiver sorte e paciência, saiba que chuva de meteoros é esta, o que pode observar e que cuidados deve ter.

O que é a chuva de meteoros geminídeos?

Todos os anos, em meados de dezembro, a órbita do planeta Terra passa por uma massa de sedimentos espaciais, deixada para trás por um asteroide que dá pelo nome de 3200 Phaethon. O pó e os sedimentos deixados em suspensão no espaço começam a arder ao entrarem em contacto com a atmosfera do planeta, criando um efeito incandescente que ilumina o céu da Terra.

Quando a Terra cruzar a órbita do asteroide Faetonte, entre quatro e 17 de dezembro, os meteoroides libertados por este corpo celeste, que tem uma cauda como se fosse um cometa, poderão ser vistos no céu como se saíssem da constelação de Gémeos (daí o nome que lhes é dado). “Os apaixonados por este tipo de fenómenos, e os curiosos em geral, poderão nas próximas noites perder algumas horas de sono para apreciar este belo espetáculo”, diz o Observatório de Astronomia de Lisboa.

A massa rochosa que deu origem a estas poeiras suspensas foi vista pela primeira, vez via satélite, há 35 anos, embora a NASA afirme que este fenómeno já é conhecido e observado desde o início do século XIX.

Como se pode observar?

A cada ano que passa, o fenómeno tende a intensificar, estimando poder-se observar chuvas de estrelas com cerca de 120 meteoros por hora. A NASA deixa um conselho a todos os amantes do espaço: “Deitem-se de costas, olhem diretamente para o céu e observem tanto quanto possível. Não serão necessários telescópios para desfrutar deste espetacular evento”.

Já o Observatório de Astronomia de Lisboa acrescenta à lista de conselhos que se evite noites nubladas, a poluição luminosa das grandes cidades e que se procure um horizonte desimpedido. Há uma coisa que joga a favor dos curiosos: nos próximos dias a Lua vai estar em quarto crescente, o que significa que não refletirá tanta luz vinda do Sol. De qualquer modo, o melhor será olhar para o lado contrário ao da Lua, porque será a região menos iluminado do céu.

A NASA disponibilizou um mapa do céu na noite desta quinta-feira para sexta. Clique na imagem para a ver em tamanho maior (NASA)

Que conselhos dão os astrónomos?

A noite espera-se fria, por isso o melhor é ir prevenido. Vista-se com roupa quente, não se esqueça dos gorros e das luvas, e leve um casaco impermeável para o caso de chover. A NASA aconselha também a deixar o telemóvel de parte, uma vez que a luz do ecrã pode prejudicar a visão noturna. Mas seja paciente: tem sempre de esperar 30 minutos até que os olhos se adaptem à escuridão.

Outro conselho de amigo: não fixe o olhar em apenas um ponto do céu. O truque está em olhar para várias zonas e assim aumentar a probabilidade de encontrar uma estrela cadente. Além disso, deve esperar que a Lua se ponha para que a luz não ofusque a luminosidade dos meteoros mais pequenos. Deve também evitar olhar diretamente para a constelação de Gémeos: é de lá que os meteoros vêm e, portanto, é nessa região do céu que parecem mais velozes.

A partir de dia 17, e até dia 26, a chuva de estrelas será causada pelos restos deixados pelo cometa Tuttle, que passou pela última vez na Terra no final de 2007 início de 2008. Os meteoros tomam o nome de Úrsidas porque parecem sair da constelação da Ursa Menor e o seu pico será dia 22 de dezembro. Mas com um pico muito menos expressivo do que o das Gemínidas com apenas 10 meteoros por hora.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)