Desemprego

Taxa de desemprego foi de 10% em fevereiro

Estimativas publicadas esta manhã pelo INE confirmam que taxa terá descido para 10,1% em fevereiro, o valor mais baixo desde março de 2009 e próximo da barreira histórica dos dois dígitos.

Estimativa do INE, revista agora em baixa, aponta para um universo de 518 mil desempregados

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Helena Cristina Coelho

Em janeiro de 2017, a taxa de desemprego desceu ligeiramente para 10,1%, menos 0,1 pontos percentuais face ao mês anterior e menos 0,5 pontos em relação a três meses antes. O valor representa uma revisão em baixa da estimativa provisória divulgada há um mês, de 10,2%.

Esta taxa constitui, também, o valor mais baixo desde março de 2009 (10,0%), de acordo com as estimativas divulgadas nesta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), e aproxima-se da barreira história dos dois dígitos, que pode ser quebrada se se mantiver esta tendência.

A taxa de desemprego junto das mulheres manteve-se inalterada em 10,4%, valor superior ao da média nacional, enquanto se registou uma redução de três décimas no desemprego entre os homens. Entre a população jovem continua a evidenciar-se uma taxa de desemprego mais de duas vezes superior à que se verifica atualmente para o conjunto da população. Os dados do INE indicam que, em janeiro de 2017, 25,4% dos jovens não tinham trabalho. O número representa, ainda assim, uma ligeira redução, de 0,2 pontos percentuais, em comparação com janeiro.

A estimativa do número de desempregados do INE aponta para 518 mil pessoas, o que representa uma ligeira quebra de 0,4% em relação ao mês anterior (menos duas mil pessoas), enquanto a população empregada foi estimada em 4.605 mil pessoas, uma subida de 0,1% (mais 2,8 mil pessoas) face ao mês anterior.

Esta estimativa provisória da taxa de desemprego de fevereiro de 2017 foi de 10%. Neste mês, a estimativa provisória da população desempregada foi de 510,6 mil pessoas e a da população empregada foi de 4 610,5 mil pessoas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)