Num universo de pequenas dimensões, o Museu das Miniaturas de Praga (República Checa) faz jus ao próprio nome. No centro da capital da República Checa e inaugurado na década de 80, este museu acolhe exposições e objetos, no mínimo, invulgares. Entre desertos repletos de camelos, cenas da natureza, monumentos e até pulgas, as obras são completamente invisíveis a olho nu e só conseguem ser observadas pelos mais curiosos através de um microscópio, conta a BBC.

As microminiaturas, nome dado a este tipo de arte, foram criadas pelo pintor e escultor russo Anatoly Konenko. Cada trabalho é único e feito manualmente. O tempo de criação depende da complexidade e do tamanho do objeto, podendo demorar meses, ou até anos, a ficar concluído.

Um dos objetos mais emblemáticos do museu checo é um livro escrito pelo dramaturgo e escritor russo Anton Chekhov, intitulado “Chameleon”. A medir 0,9 por 0,9 milímetros, é composto por 30 páginas, com 11 linhas cada uma e cerca de 220 caracteres, e foi inscrito no Guiness Book of Records – Livro dos Recordes do Guiness -, no ano de 1997, por ser o livro mais pequeno do mundo.

Imagem que mostra o livro “Chameleon”, de Chekhov

Os museus de microminiaturas são também conhecidos noutros pontos do mundo e podem ser encontrados na Rússia, no Russian Levsha, na Ucrânia, no Syadristy e ainda em Los Angeles, no Museu de Tecnologia Jurássica, com uma coleção que inclui micro esculturas do Papa João Paulo II, do Napoleão Bonaparte e várias figuras da Disney.

Percorra a fotogaleria e fique a conhecer melhor o Museu das Miniaturas.