Rádio Observador

Doenças

A jovem de 17 anos que morreu com sarampo não estava vacinada

2.999

Jovem de 17 anos internada com sarampo em Lisboa morreu na madrugada desta quarta-feira. A adolescente estava internada no hospital D. Estefânia em Lisboa. Não estava vacinada.

"[Não devemos] fazer o sacrifício em publico de ninguém”, defendeu Adalberto Campos Fernandes

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autores
  • Miguel Santos Carrapatoso
  • Agência Lusa

A jovem de 17 anos internada com sarampo em Lisboa morreu na madrugada desta quarta-feira. Estava internada desde o passado fim-de-semana, devido a uma pneumonia bilateral. Não estava vacinada e acabou por não resistir às complicações do seu estado de saúde.

A confirmação foi dada por Adalberto Campos Fernandes, ministro da Saúde, numa conferência de imprensa que contou também a com a intervenção de Francisco George, diretor-geral de saúde. Segundo a informação avançada por Francisco George, o óbito foi declarado “depois das cinco da manhã”. Na véspera, ministro e diretor-geral de saúde estiveram no hospital D. Estefânia para acompanhar a evolução do estado de saúde da jovem.

O Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) explicou, em comunicado, que a jovem morreu “na sequência de uma situação clínica infeciosa com pneumonia bilateral — sarampo” e adiantou mais informações: “A família acompanhou toda a evolução da situação clínica e o CHLC, com tristeza, lamenta a ocorrência e presta, publicamente, os seus sentidos pêsames”.

A jovem terá sido contagiada por uma criança de 13 meses que não estaria vacinada. A rapariga foi depois transferida da unidade hospitalar de Cascais para o Hospital D. Estefânia onde esteve num quarto de isolamento, nos cuidados intensivos. Segundo a Direção-Geral de Saúde, há já 21 casos confirmados de sarampo. As escolas estão em alerta com a epidemia de sarampo.

“Não tememos cenários de uma grande epidemia”, assegura Francisco George

Na conferência de imprensa a partir do Ministério da Saúde, o diretor-geral de saúde garantiu que não razões para alarmismos. “O sarampo nunca terá uma expressão de grande escala em Portugal. Não tememos cenários de uma grande epidemia”, afirmou Francisco George.

O diretor-geral de saúde fez ainda questão de desvalorizar o movimento anti-vacinação em Portugal, ao contrário do que acontece noutros países, como a Itália. A taxa de cobertura da vacinação é neste momento de cerca de 96%, um nível que permite afastar qualquer cenário de grande epidemia. “A cobertura é de tal maneira alta que o sarampo encontra dificuldades em progredir“, garantiu o responsável.

Francisco George assegurou ainda que existem vacinas para todas as crianças em idade de vacinação. Além disso, o diretor-geral de saúde revelou também que há “uma reserva estratégia de 200 mil doses de vacinas” disponível para todos os adultos com menos de 40 anos que, não estando vacinados, o queiram fazer. As pessoas com mais de 40 anos de idade terão, em teoria e com grande índice de probabilidade, os anticorpos no seu organismo que dispensam a vacina, explicou Francisco George.

Sem adiantar grandes detalhes sobre o estado de saúde das outras pessoas infetadas com o vírus do Sarampo, o responsável pela Direção-Geral de Saúde assegurou que o estado de saúde da bebé de 13 meses que terá contagiado outras seis pessoas — incluindo a jovem de 17 anos que morreu esta quarta-feira — demonstra uma evolução que “não é preocupante”.

Sobre o número de crianças que podem não estar vacinadas em Portugal, Francisco George estima que sejam cerca de “10 mil a 15 mil“, um fenómeno pouco expressivo, sobretudo quando comparado com outros países.

Já foram confirmados 21 casos de sarampo em Portugal e existem ainda 18 casos em investigação, explicou o responsável. Até ao momento, oito casos de suspeitas de sarampo não foram confirmados.

“Estamos no início de um processo de estabilização”

Adalberto Campos Fernandes, por sua vez, assegurou que o surto de sarampo está “em vias de resolução”. “Estamos no início de um processo de estabilização. O dispositivo está a funcionar, as autoridades de saúde estão a trabalhar, o Ministério da Saúde e o Ministério da Educação estão a trabalhar em conjunto para tranquilizar os pais. Não há razão para alarme“, assegurou o governante.

Desafiado a tomar uma posição sobre a discussão que promete dominar a agenda política e mediática — a vacinação deve ou não ser obrigatória? Os pais que não o fazem devem ser responsabilizados? –, o ministro da Saúde disse que este não era o momento de ter essa discussão.

“Não foi por falta de obrigatoriedade que atingimos taxas de 95% de vacinação”, começou por dizer o ministro, defendendo que ninguém se deve “precipitar” em tecer “juízos de valor” sobre os pais que decidem não vacinar os filhos. “[Não devemos] fazer o sacrifício em publico de ninguém”.

A terminar, Adalberto Fernandes deixou ainda uma nota: “O que queria dizer é que confiem nas autoridades de saúde e no dispositivo de saúde pública. É preciso dizer com firmeza que o principal debate das sociedades modernas não é se a vacina deve ser obrigatória ou não. É sobre aquilo que é hoje a desvalorização da melhor evidência cientifica em detrimento de um conjunto de opiniões esparsas que muitas vezes são responsáveis por incidentes e ocorrências que podiam ter sido evitados. A vacinação é segura e eficaz. É tempo de parar com as opiniões e de parar com a especulação em torno da evidencia cientifica“.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)