Presidente Trump

Os elogios não resultaram. Juiz Garland sem interesse no cargo de diretor do FBI

McConnell não poupou elogios ao juiz Merrick Garland. Mas não resultou. Garland não esqueceu que McConnell o recusou para um cargo e disse que não quanto a substituir James Comey como diretor do FBI.

Mark Wilson/Getty Images

Merrick Garland, um dos nomes apontados para diretor do FBI, recusou a proposta. Garland, juiz federal americano, tinha sido apontado pelo republicano Mitch McConnell, senador de Kentucky, a Donald Trump, como possível sucessor de James Comey, o diretor do FBI despedido por Donald Trump.

Numa entrevista à Bloomberg Television, McConnell elogiou o juiz como “um profissional apolítico”. O senador acrescentou ainda que o antigo cargo de Comey deveria ser preenchido por alguém com ligações à aplicação das leis e sem envolvimento político. Por estas serem caraterísticas de Garland, McConnell defende que o juiz “iria servir bem o país” através de uma “abordagem mais bipartidária”.

A recusa de Garland foi justificada por duas fontes em declarações à agência Reuters, em condição de anonimato que asseguram que Garland terá dito que “ama o seu trabalho e não está interessado em deixar o jurídico” pelo cargo de diretor do FBI.

No ano passado, o próprio McConnell manifestou-se contra a nomeação de Garland para juiz no Supremo Tribunal dos Estados Unidos. Mas Garland acabou por ser nomeado em março pelo presidente Barack Obama, cargo que ocupou até janeiro deste ano. Garland já tinha sido duas vezes nomeado por Obama para o Supremo Tribunal, mas nunca conseguiu o lugar.

Merrick Garland, de 64 anos, não quer abdicar da sua profissão para ocupar o cargo de diretor do FBI nos próximos dez anos. Foi funcionário do Departamento de Justiça do presidente Bill Clinton, na década de 90.

Garland foi responsável por dois dos maiores casos de terrorismo nos Estados Unidos, no final do século passado. Um deles foi o julgamento de Ted Kaczynski, responsável por uma série de ataques bombistas, entre 1978 e 1995, que mataram três pessoas e feriram 23. O outro foi a acusação de Timothy McVeigh que bombardeou o edifício federal em Oklahoma City em 1995, do qual resultaram 168 vítimas mortais.

No passado dia 9 de maio, Donald Trump demitiu o então diretor do FBI, James Comey, que estava a investigar as alegadas influências da Rússia nas eleições presidenciais dos Estados Unidos.

Para preencher o seu lugar vazio existem pelo menos uma dezena de candidatos. O número é incerto. Os primeiros quatro candidatos foram entrevistados no passado sábado pelo procurador-geral, Jeff Sessions. Donald Trump quer que a nomeação seja feita rapidamente, até ao final desta semana.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidente Trump

As duplas faces de Trump

Salvador Furtado
124

Trump faz da política um jogo. Enfraquece os outros à procura de se fortalecer a si. A visita ao Reino Unido foi como uma corrida de cavalos e Trump fez uma aposta – num senhor com o cabelo como o seu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)