Prisão

Líder rebelde foge de prisão na República Democrática do Congo

O líder de um movimento rebelde, que instigou um levantamento contra o Presidente da RD Congo Joseph Kabila, fugiu da prisão central de Makala, em Kinshasa.

"O pavilhão das mulheres está vazio. Todas as presas escaparam", acrescentou o responsável

Hugo Delgado/LUSA

O líder de um movimento rebelde, que instigou um levantamento contra o Presidente da República Democrática do Congo (RDCongo) Joseph Kabila, fugiu esta quarta-feira da prisão central de Makala, em Kinshasa, durante um ataque ao estabelecimento prisional.

A data escolhida para a fuga é simbólica, pois esta quarta-feira é feriado no país e marca o vigésimo aniversário da queda do ditador Mobutu Sese Seko e a chegada ao poder do líder rebelde Laurent Kabila, pai de Joseph Kabila.

“Os apoiantes do movimento Bundu Dia Kongo atacaram (…) a prisão de Makala, conseguindo a fuga de cinquenta prisioneiros, incluindo o seu líder, Ne Muanda Nsemi. A polícia perseguiu os atacantes”, disse à agência de notícias AFP o porta-voz do Governo congolês, Lambert Mende.

Mais tarde, um responsável da cidade-província de Kinshasa declarou à AFP, sob condição de anonimato, que três prisioneiros condenados por ligações ao assassinato do pai de Kabila em 2001, entre os quais o seu secretário pessoal, estão entre os fugitivos.

“O pavilhão das mulheres está vazio. Todas as presas escaparam”, acrescentou o responsável, sem especificar o número de mulheres detidas em Makala.

Ne Muanda Nsemi é o líder do Bundu Dia Kongo (BDK, “Reino do Congo” em kikongo), do movimento político-religioso que defende a separação do Congo Central (província no oeste da RDC), e acusado de uma série de ataques contra funcionários do estado em janeiro e fevereiro de 2016.

Nsemi foi preso no início de março, após duas semanas de cerco à sua residência em Kinshasa. O líder da BDK já havia apelado à uma revolta contra Kabila depois de uma tentativa fracassada de reconciliação com o chefe de Estado no final de 2016.

Kabila sucedeu ao seu pai em janeiro de 2001, tendo sido eleito Presidente em 2006 e reeleito em 2011, numa votação marcada por alegadas fraudes.

O mandato de Kabila terminou em dezembro e a constituição do país proíbe que o Presidente concorra novamente ao cargo, mas o chefe de Estado continua à frente do país depois de uma decisão controversa do Tribunal Constitucional.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)