O FC Porto anunciou esta sexta-feira, através de um comunicado colocado no site oficial, que já entregou à Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária todos os emails e restante documentação referentes às acusações que o clube tem feito em relação ao Benfica. “Esquema de corrupção de árbitros para favorecimento do Benfica”, “tráfico de influência” e “abuso de influência” foram algumas das ideias defendidas pelos dragões nas últimas semanas.

Ao mesmo tempo, Francisco J. Marques, diretor de comunicação dos azuis e brancos, já terá também sido ouvido pela Polícia Judiciária no âmbito da investigação, avança a SIC Notícias.

Recorde-se que, em abril, o programa Universo Porto de Bancada, do Porto Canal, começou por divulgar alguns emails trocados por pessoas ligadas ao Benfica, como dirigentes ou colaboradores.

No entanto, as maiores acusações surgiram apenas nas últimas semanas, assentes em correspondência que envolvia Luís Filipe Vieira, presidente dos encarnados; Paulo Gonçalves, assessor jurídico; Pedro Guerra, atual diretor de conteúdos da BTV e em 2014 colaborador do jornal e do canal do clube; Adão Mendes, ex-árbitro; Nuno Cabral, delegado da Liga; Mário Figueiredo, antigo líder da Liga; e Carlos Deus Pereira, ex-presidente da Assembleia Geral da Liga.

Eis o (curto) comunicado em que o FC Porto explicou as supracitadas diligências:

“O FC Porto informa que, através do seu diretor de informação e comunicação, satisfez o pedido da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária e entregou-lhe toda a documentação disponível em suportes originais do denominado dossiê e-mails de e para o SL Benfica.”