A confusão gerou-se num posto médico canadiano em Missisauga, no passado domingo, quando uma mãe exigiu que o seu filho fosse visto por “um médico branco”.

Uma das pessoas que esperava atendimento no Rapid Access to Medical Specialists, filmou o momento em que a mulher se vira contra os restantes utentes e funcionários. No vídeo, publicado no YouTube, a mulher exige também que o médico “fale inglês” e que tenha nascido no Canadá. Outras pessoas na sala de espera protestaram o comportamento da mulher e chamaram-na de “racista”.

Os funcionários informaram a mulher de que não havia nenhum médico de serviço que cumprisse “os requisitos” e recomendaram que o filho fosse visto por um pediatra num hospital. A mulher recusou porque o hospital “está cheio de médicos paquistaneses”.

O momento foi registado neste vídeo, até que uma outra mulher intervém para dizer que a criança não precisa de tratamento e que o problema é outro: “o seu filho tem mais problemas em tê-la a si como mãe”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A clínica recusa-se a prestar declarações sobre o sucedido mas um comunicado afixado na entrada explica que estão “orgulhosos da qualidade dos serviços prestados nesta clínica”.

A clínica está orgulhosa da qualidade dos serviços médicos prestados nesta instituição. Ninguém na clínica tem comentários a fazer (….)”