Rádio Observador

Aston Martin

1000 era pouco… Aston Martin Valkyrie terá 1130 cv

O superdesportivo da Aston Martin poderá não ter "só" 1000 cv. O que, a confirmar-se, significa que o Valkyrie superará, em potência, o Ferrari LaFerrari, pesando menos que um Mazda MX-5. Promete!

Autor
  • Francisco António

O superdesportivo Valkyrie continua o seu processo de desenvolvimento, rumo àquela que será a versão de produção. E que, avança agora o site Road&Track, poderá, afinal, ostentar uma potência já não de “apenas” 1000 cv, mas sim de 1130 cv! Ou seja, um rácio peso-potência melhor ainda que um cv por kg!

A informação avançada pelo site norte-americano tem por base, segundo o próprio, dados fornecidos por uma fonte conhecedora dos planos da Aston Martin para o Valkyrie. E que, inclusivamente, terá fornecido informações técnicas importantes sobre aquele que promete ser um dos superdesportivos mais potentes do mercado. E homologado para estrada!

De acordo com a mesma fonte, o aumento da potência dos inicialmente anunciados 1000 cv para 1130 cv deve-se à inclusão do sistema de recuperação de energia para apoio na aceleração, KERS. O qual terá vindo acrescentar 130 cv à potência anteriormente anunciada e conseguida com o V12 6,5 litros Cosworth a gasolina.

A confirmarem-se os 1130 cv, tal significa que o Valkyrie passará a ostentar mais potência do que, por exemplo, o Ferrari LaFerrari, apesar de, com os seus 1030 kg, pesar menos que um Mazda MX-5!

Novidade é também o facto de a futura versão de produção não contemplar retrovisores exteriores, mas sim um sistema de câmaras de ajuda com projecção das imagens em ecrãs LCD dispostos em ambas as extremidades do tablier. Ou até mesmo o facto de o emblema da Aston Martin colocado no nariz do carro ter sido elaborado especificamente para este modelo, de forma a não causar qualquer fricção aerodinâmica. Como? Mede menos de um mícron de altura e pesa apenas algumas miligramas, surgindo inserido na própria pintura!

Já no interior, a consola central mede apenas 7,6 cm de largura, garante a mesma publicação, fazendo com que praticamente todos os comandos surjam no volante. Sendo que todas as unidades serão fabricadas de acordo com os desejos (possíveis) e preferências dos futuros donos, existindo igualmente a garantia de que o Valkyrie será capaz de acomodar dois adultos (mesmo com alturas a rondar o 1,90 m!) e respectivas bagagens, para uma viagem de fim-de-semana.

Mas se a versão de estrada não é suficientemente radical para si, recordamos que, a par das 150 unidades homologadas para estrada que a Aston Martin pretende fabricar, serão também produzidas outras 25, concebidas especificamente para pista. As quais, graças à inclusão de um pack aerodinâmico específico, serão tão rápidas em Silverstone quanto um monolugar do Mundial de Resistência, promete o fabricante.

Infelizmente, tal como acontece com as unidades homologadas para utilização no dia-a-dia, se não reservou atempadamente um dos 25 carros criados para a pista, também já não conseguirá. Isto porque todos se encontram já vendidos, embora a entrega das primeiras unidades, em ambos os casos, esteja prevista apenas para 2019.

Assim, ver um Valkyrie ao vivo antes disso, só talvez nas 24 Horas de Le Mans do próximo ano, pois a Aston Martin prometeu já apresentar-se à partida para a emblemática prova do Mundial de Resistência com aquela que, à partida, será a primeira unidade de produção do seu novo superdesportivo. Mas, atenção: com o intuito apenas de fazer apenas a primeira volta!

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)