Leilões

O primeiro mapa da Disneyland foi vendido por mais de 630 mil euros

Foi utilizado por Walt Disney para obter financiamento para o seu parque, depois do seu próprio estúdio se ter recusado a investir na ideia. E foi guardados por um funcionário.

O parque foi visitado por 650 milhões de pessoas, sendo o segundo parque temático mais visitado do mundo, em 2016, com 17,8 milhões de pessoas.

O mapa original do primeiro parque temático da Disney, conhecido como Disneyland, foi vendido por 708 mil dólares (cerca de 632 mil euros) num leilão, na Califórnia, Estados Unidos.

O desenho foi feito em 1953 e está assinado com o nome do artista Herb Ryman. Foi utilizado por Walt Disney para obter financiamento para o seu parque, depois do seu próprio estúdio se ter recusado a investir na ideia.

Walt em conjunto com o seu irmão, Roy, consideraram que era uma boa ideia tentar arranjar investimento de uma das maiores cadeias televisivas de Nova Iorque, a ABC. Após ter visto o desenho do projeto, a ABC decidiu mesmo financiar a construção da infraestrutura.

Meses antes da abertura do primeiro parque, em março de 1955 em Anaheim, Califórnia, o desenho do mapa foi entregue a Grenade Curran, um funcionário que estava encarregue de transportar os visitantes em carros quando o parque abriu.

Eu guardei-o pela sua história, guardei-o pela participação artística que Walt teve nele, guardei-o porque era a primeira coisa a revelar aquilo que um parque temático poderia ser”, disse Curran citado pela BBC.

Agora, 60 anos mais tarde, o mapa foi leiloado por 708 mil dólares, cerca de 631 mil euros, o que representou o “mapa da Disneyland mais caro que alguma vez foi vendido”, disse Mark Eaton, da leiloeira Van Eaton Galleries.

O mapa faz parte da exposição “Walt Disney’s Disneyland“, que apresentou mais de mil artefactos desta marca, expostos desde dia 2 de junho. O leilão aconteceu no passado domingo, dia 25 de junho.

Desde a sua abertura, há seis décadas, o parque Disney na Califórnia foi visitado por 650 milhões de pessoas, sendo o segundo parque temático mais visitado do mundo, em 2016, com 17,8 milhões de pessoas.

© Van Eaton Galleries

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)