O Presidente da República afirmou esta terça-feira que Portugal tem apoiado os emigrantes portugueses na Venezuela e defendeu um “diálogo sem condições, entre todos”, escusando-se a comentar a possibilidade de sanções impostas pelos Estados Unidos.

A posição portuguesa é sempre a mesma: é defender o diálogo, um diálogo genuíno, um diálogo aberto, um diálogo sem condições, entre todos. É uma questão Venezuela, a ser resolvida pelos venezuelanos”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, na Cidade do México.

Questionado sobre a atuação do Estado português no apoio aos emigrantes portugueses naquele país, o Presidente da República respondeu que “Portugal tem estado presente através de muitas iniciativas, abertura de novas estruturas consulares, abertura de novos pontos de contacto, apoios em termos de solidariedade social”.

Venezuela enfrenta a “mãe de todas as manifestações”

“Várias têm sido as diligências desenvolvidas, nomeadamente e pelo senhor secretário de Estado das Comunidades, que ainda há pouco tempo lá esteve. Portanto, não é apenas estarmos preocupados, temos trabalhado para proporcionar aos nossos compatriotas a informação, o apoio, o acompanhamento que eles, naturalmente, merecem”, defendeu.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que as autoridades portuguesas acompanham “com muito carinho, muita solidariedade, muita atenção o que se passa”. “Temos muitos, muitos compatriotas lá, e naturalmente desejamos para eles o que desejamos para todos: o melhor possível”, acrescentou, reiterando que o caminho que Portugal defende é “diálogo aberto, diálogo genuíno, o que significa diálogo a sério”.