Rádio Observador

Comida

YEP, estes jovens produtores são uns azeiteiros de primeira

1.951

A paixão pela terra e pelo azeite de terroir uniu nove produtores do líquido que nasce em olivais de Trás-os-Montes. Os YEP querem promover o que de melhor se faz na região, mas também no país.

Os YEP são "jovens" transmontanos produtores de azeite, que se uniram para ajudar a promover o azeite de terroir.

© DR

São jovens, transmontanos e azeiteiros (de quem produz ou vende azeite). Os YEP – Young EVOO Producers, sendo que EVOO é a sigla inglesa para “Extra Virgin Olive Oil”, nasceram no final de 2016 com a missão de promover a diversidade dos azeites. Em causa estão seis produtores e nove associados concentrados na região de Trás-os-Montes, mas nem por isso o projeto deixa de ambicionar projeção e dimensão nacional.

Francisco Ataíde Pavão, um dos produtores, é quem explica ao Observador que os azeites daquela região em particular são mais amargos e picantes. Características que os diferenciam no panorama nacional. E é precisamente essa a intenção dos YEP. Uma das máximas que une o grupo é a ideia de que o azeite que nasce da paixão e do esforço destes produtores seja o reflexo do terroir, que é capaz de variar muitíssimo dentro de uma mesma propriedade.

O grupo YEP foi criado no final de 2016. © Divulgação

Os nove jovens — ainda que alguns o sejam somente de espírito — produzem apenas azeite virgem extra, com Denominação de Origem Protegida, e com base em variedades nacionais. A concentração de esforços assenta na vontade de, em última análise, pôr os portugueses a consumir aquilo que lhes é tradicional. Apenas o “melhor azeite” que conseguem produzir tem direito a entrada a pés juntos no grupo, assegura Francisco Ataíde Pavão, também ele presidente da CVR de Trás-os-Montes.

“Todos temos as mesmas variedades de azeite, mas cada referência YEP diz respeito a um azeite diferente. Os seis azeites são completamente distintos”, continua Pavão, reforçando a ideia de que, apesar de o azeite estar na moda e representar uma cultura importante, há muito trabalho a fazer. “Demorámos anos e anos para ter um guia de azeite”, afirma, referindo-se ao livro lançado no final do ano passado pelo jornalista Edgardo Pacheco.

Os seis azeites são muito diferentes entre si e pretendem ser a expressão máximo do terroir. © Sérgio Ferreira

Os seis azeites — 2A Tua, Caixeiro, Casa de Santo Amaro, Casa de Valpereiro, Mont’Alverne e Magna Olea — são realmente muito diferentes entre si, não só na experiência gustativa, mas também pelas histórias que o nome e o design de cada garrafa contam. Se o 2A Tua, por exemplo, diz respeito a um projeto particularmente recente, o Mont’Alverne é o resultado da paixão de um biólogo marinho que resolveu dedicar-se à produção de azeite, algo que já é feito há seis gerações na família. Também o Magna Olea, projeto que uniu pai e filha, é exemplo de dedicação e soma por isso distinções de alto gabarito. É caso para escrever que… YEP, eles sabem o que fazem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)