Um grupo de hackers auto-intitulado “The Binary Guardians” (Os Guardiões Binários) anunciou esta segunda-feira ter conseguido entrar em vários sites de organismos estatais venezuelanos, tendo colocado em alguns deles mensagens contra o governo de Nicolás Maduro. “A nossa luta é digital. Tu trancas as ruas, nós trancamos as redes”, pôde ler-se nos sites de organismos como o Conselho Nacional Eleitoral, o Supremo Tribunal e o Parlamento, segundo relata a agência EFE.

A nossa intenção é dar às pessoas a esperança de que, independentemente de quão forte o inimigo pareça ser, há força na unidade”, disse o grupo à agência Reuters.

As declarações, que foram feitas por email, incluíam também a informação de que o grupo teria conseguido entrar em 40 sites do Estado venezuelano. Os “Binary Guardians” disseram ainda à Reuters que não têm qualquer ligação ao grupo que atacou uma base militar no passado fim-de-semana, numa ação que ficou conhecida como “Operação David”, mas que apoiaram o ataque. Nicolás Maduro já anunciou que irá pedir “a pena máxima” para os que participaram na operação, que classificou de “ataque terrorista”.

Maduro diz que travou sublevação militar. Duas pessoas morreram

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O ataque informático ocorreu não só no rescaldo da “Operação David”, como também num dia de marcha pró-governo. Esta segunda-feira, cerca de duas mil pessoas reuniram-se em Caracas para uma manifestação de apoio à Assembleia Constituinte. “Mais do que tudo, esta marcha é um apelo à paz”, declarou uma manifestante à televisão estatal, citada pela Reuters.

A nova Assembleia deverá reunir-se esta terça-feira, depois de Maduro ter anunciado a criação de uma “comissão para a verdade” que visará impor justiça relativamente àqueles que, segundo o Presidente da Venezuela, têm alimentado os protestos que abalam o país desde o início de Abril. Ao todo, num país a braços com sérias restrições de alimentos e uma inflação galopante, mais de 120 pessoas já morreram nos últimos quatro meses, na sequência de vários protestos contra o executivo de Maduro.