A LG apresentou em Berlim, esta quinta-feira, o V30 – o smartphone de 158 gramas com que pretende crescer na “guerra dos tronos” que é o competitivo mercado mundial dos telemóveis inteligentes. Para ajudar com a apresentação do aparelho, a marca sul-coreana convidou David Franco, um dos diretores de fotografia de séries televisivas como Game of Thrones e Boardwalk Empire, que jurou pelos talentos do V30 como fiel e artístico documentarista das nossas vidas.

Aproveitando a presença de centenas de jornalistas mundiais destacados para a capital alemã para visitar a IFA, a LG mostrou ao mundo o novo topo de gama que, além da já antecipada aposta na qualidade de som (da Bang & Olufsen), privilegia a captação de imagens — fotografia e, sobretudo, vídeo, porque é cada vez mais essa a forma que as pessoas usam para se expressar, dentro e fora das redes sociais.

“Quase 80% dos utilizadores usam o telemóvel para gravar vídeo, pelo menos uma vez por semana”, atirou Juno Cho, presidente da LG para a área dos dispositivos móveis. “As pessoas estão a deixar de ‘contar histórias’ e, cada vez mais, querem ‘mostrar a sua história'”, acrescentou o responsável.

O ecrã, de 6 polegadas, tem tecnologia OLED FullVision — impressionante, é certo, mas tão impressionante como outros modelos de outras marcas, sinal de que já não será muito mais por aqui que a concorrência se irá fazer. O chassi é de vidro, protegido nas lombadas por uma fibra de alumínio que a LG diz ter ido buscar à construção civil.

Há duas câmaras na traseira, uma com 16 megapíxeis (f/1.6) e outra grande angular com 13 megapíxeis (f/1.9). A câmara frontal é uma grande angular com 5 megapíxeis (f/2.2). A lente, de vidro (e não de plástico) inova com uma abertura f/1.6 que, com a tecnologia HDR10, ajudará a que, nas palavras da marca, “as cores brilhem com mais luminosidade e que os negros sejam ainda mais escuros”.

Nos minutos em que pudemos manusear o “smartphone”, foi possível constatar que uma fotografia tirada numa situação de pouca luminosidade é significativamente mais elegante do que a mesma fotografia tirada por um iPhone 7 Plus.

De volta aos vídeos, a funcionalidade mais inovadora é o Point Zoom, que facilmente deixa concentrar o zoom numa filmagem num dado elemento, como o rosto de alguém que está na beira do plano e não, necessariamente, no centro. Zoom ao centro, o “standard”, é algo que tem os dias contados.

Outra aposta do aparelho é ajudar os utilizadores a fazerem filmagens com filtros padronizados a que a LG chamou Cine Effects, que nos deixam filmar em vários modos como “Romântico”, “Ação”, “Thriller”, “Mistério”, etc. Lendo de um teleponto, como é habitual nestas apresentações coreografadas ao milímetro, o cineasta David Franco garantiu que passou alguns dias a fazer imagens do seu dia-a-dia e ficou impressionado com o que é possível fazer com o V30.

Como já tinha sido amplamente antecipado, a LG aposta também no processador: é um Snapdragon 835, da Qualcoom (rapidíssimo). Equipado com 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento (expansível com cartão micro SD), o V30 tem uma bateria de 3.300mAh e, como já está a tornar-se padrão na indústria, suporta carregamento sem fios e carregamento rápido. Uma nota: não é possível retirar a bateria.

O V30 mantém, também, o botão traseiro com reconhecimento de impressões digitais. A marca garante que o botão está posicionado exatamente onde a mão “naturalmente fica”, o que só é verdade para quem acredita no Pai Natal — é impossível ter o mesmo nível de conforto para qualquer utilizador e alguém com uma mão maior vai, certamente, ter de se adaptar.

Ao contrário do que aconteceu com o bem-sucedido V20, o antecessor desta gama, desta vez a LG promete apostar mais nos mercados europeus. Ainda não há data conhecida para poder comprar o V30 em Portugal, mas será no máximo em novembro, apurou o Observador.

O preço ainda não é conhecido, mas deverá rondar os 900 euros para este que é o modelo mais “recheado” da marca. A LG compete neste espaço com marcas como a Samsung, que lançou recentemente o Note 8 — que custará mais de 1.000 euros –, e a Huawei, que só daqui a algumas semanas irá apresentar o novo Mate.

O Observador viajou a Berlim a convite da LG Portugal.