Rádio Observador

Lady Gaga

Lady Gaga. Como a fibromialgia pode afetar o dia-a-dia de uma cantora pop

Estreia amanhã no Netflix o documentário sobre a vida pública e privada de Lady Gaga. A questão da fibromialgia e a forma como a doença afeta o dia-a-dia da estrela pop é um dos temas centrais.

Lady Gaga na apresentação do seu documentário no Toronto International Film Festival

GEOFF ROBINS/AFP/Getty Images

Por baixo de toda a maquilhagem, de toda a roupa ousada e pouco convencional e de todos os adereços, quem é Lady Gaga? O documentário sobre a cantora norte-americana, que estreia amanhã, dia 22, no Netflix, pretende precisamente dar a conhecer o lado mais privado da estrela pop de 31 anos.

E garantidamente não é tudo um mar de rosas. “Paranoia, medo, dores no corpo, ansiedade” são algumas das palavras que se ouvem da voz da cantora durante o trailer, que destaca a questão da fibromialgia. Esta doença crónica, que provoca dores fortes em todo o corpo e com a qual Stefani Joanne Angelina Germanotta — o verdadeiro nome de Gaga — lida há cinco anos, levou-a a cancelar o seu concerto no Rock in Rio Brasil e o resto da tour europeia, que terminaria a 28 de outubro com um concerto na Alemanha.

O desespero da cantora com as dores é visível já no trailer: Gaga aparece deitada numa cama, toda nua e com apenas uma toalha branca a tapar-lhe o corpo, a deitar as mãos à cara de desespero. E ainda se vê a cantora no médico a receber tratamento para a doença crónica.

Mas há uma coisa que a faz mexer-se, apesar das dores: “Quando sinto a adrenalina da minha música e os meus fãs consigo funcionar”.

O documentário, realizado por Chris Moukarbel, acompanha Gaga durante um ano nos vários momentos da sua vida. Além da questão da fibromialgia, aborda o lançamento do seu mais recente álbum “Joanne”, os espetáculos — nomeadamente a atuação durante o Super Bowl em fevereiro –, e ainda o fim do noivado com o ator Taylor Kinney, refere o Los Angeles Times.

A relação da cantora com os fãs e com a família também é abordada no documentário, intitulado “Gaga: Five Foot Two”. Vê-se a norte-americana num batizado e ainda a visitar a avó. “A família é a coisa mais importante da minha vida”, afirma a cantora.

O que é a fibromialgia?

A fibromialgia é uma doença crónica que afeta cerca de 300 mil portugueses (todos adultos e em particular as mulheres). Caracteriza-se por “dor músculo-esquelética generalizada, difusa e muitas vezes migratória [salta de um sítio para o outro]” e ainda por um “aumento da sensibilidade a uma variedade de estímulos que podem causar dor e desconforto, como o esforço, stress ou os ruídos”, lê-se no site da Sociedade Portuguesa de Reumatologia.

Dores no corpo, “alterações no padrão do sono”, “fadiga e cansaço matinal”, ” falta de força”, “cansaço intenso e sensação de esgotamento físico”, “diminuição da concentração” são alguns dos sintomas. Uma vez que não tem cura, os tratamentos procuram aliviar a dor, “reduzir a ansiedade, melhorar o sono e melhorar a qualidade de vida” do doente.

Não se sabe ao certo o que causa esta doença, mas o “stress psicológico (preocupação, ansiedade) favorece este mecanismo, além de aumentar também a tensão que se transmite aos músculos, aumentando a dor”, refere ainda a Sociedade Portuguesa de Reumatologia.

A apresentadora de televisão Maria Elisa sofre de fibromialgia e até escreveu um livro sobre a doença, juntamente com o médico Jaime C. Branco: “Viver com Fibromialgia”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)