A Polícia de Los Angeles deteve na quarta-feira um dos irmãos de Stephen Paddock (o atirador de Las Vegas que atirou sobre 58 pessoas) por mais de 20 crimes ligados a pornografia infantil. Os crimes remontam ao ano de 2014, de onde se inclui a posse de mais de 600 imagens de menores e outros 19 crimes por tentativa de exploração sexual. A investigação não está relacionada com o crime ocorrido em Las Vegas pelo seu irmão Stephen.

As autoridades começaram a investigar Bruce, pouco tempo depois do tiroteio do irmão, depois de terem sido encontradas provas de um negócio considerado suspeito, do qual fazia parte. A polícia deteve-o em North Hollywood e escolheu divulgar no seu relatório a imagem do suspeito por considerar que podem existir outras “vítimas de incidentes que não foram denunciados”.

Bruce está detido sob uma fiança avaliada em 60 mil dólares (cerca de 50 mil euros). Um porta voz da polícia afirmou ao Los Angeles Times que a investigação começou antes de ter acontecido o tiroteio em Las Vegas. O homem já tinha cadastro criminal por outros pequenos crimes, como assaltos, condução sem licença ou vandalismo, cometidos nos últimos 25 anos.

Bruce Douglas Paddock — o irmão de Stephen — tinha condenado várias vezes o massacre feito pelo seu irmão, no início do mês de outubro. Como conta o El Español, Bruce, de 59 anos, dizia, na altura, aos vários media locais que estava surpreendido com o que se tinha sucedido e que acreditava que o irmão apenas possuía um par de armas. A investigação acabou por demonstrar que o ataque de Stephen tinha sido planeado, ou não tivesse sido encontrado um verdadeiro arsenal de armas de fogo.

Nos dias seguintes ao massacre de Vegas, foi o pai de ambos, Benjamin Hoskins Paddock, a estar na mira, isto porque Benjamin esteve durante oito anos na lista de criminosos mais procurados do FBI. O homem dedicava-se a assaltar bancos e era descrito como “psicopata” diagnosticado com “tendências suicidas”.