PSD

JSD exige que ministro esclareça suspensão de alunos que denunciaram má comida

1.918

A juventude partidária do PSD vai pedir "esclarecimentos" ao ministro da Educação sobre suspensão de alunas que denunciaram má qualidade da comida nas escolas já na próxima audição.

Diana Quintela

A JSD vai pedir “explicações urgentes” ao ministro da Educação sobre os alunos que estão a ser repreendidos ou punidos por diretores por tirarem fotografias a refeições mal confecionadas nas escolas. O líder da JSD e deputado, Simão Ribeiro, revela ao Observador que “os deputados da JSD na próxima quarta-feira, na audição no âmbito do Orçamento do Estado, ao ministro da Educação” vão aproveitar a situação para “exigir explicações urgentes” e também para que Tiago Brandão Rodrigues esclareça se vai compactuar com o “ataque à liberdade de expressão” dos diretores que suspenderam os alunos.

Simão Ribeiro entende que esta atitude é “no mínimo uma interpretação abusiva do que é o estatuto do aluno” e lembra ao Ministério da Educação que “o tempo da falta de liberdade de expressão e da censura terminou há muito tempo“. A JSD, defende o seu presidente, “espera que esta não seja uma atitude [a suspensão de duas alunas que divulgaram fotografias nas redes sociais] com que o senhor ministro da Educação compactue e que não resulte em pressões aos diretores de agrupamento para que a falta gritante de qualidade nas refeições de algumas das cantinas escolares não seja tornada pública“.

O líder da JSD recorda que “há muito que o grupo parlamentar do PSD e a JSD vêm denunciando aquilo que é uma cultura de cortes permanentes encapuçados sob a forma de cativações e que têm resultado num degradar do serviço de muitas escolas, nomeadamente na falta de assistentes operacionais”. Quanto ao caso em específico, Simão Ribeiro considera que “este é mais um lamentável caso em que a falta de investimento na educação se traduz numa má qualidade do serviço prestado aos estudantes“.

A JSD espera, assim, que “a conduta do ministro seja a de exigir um reforço orçamental para a área da educação e melhoria, por consequência, dos serviços prestados aos estudantes, e não seja uma conduta que compactue com o castrar da liberdade de expressão dos estudantes e de silenciar as más condições do serviço que é mal prestado aos estudantes”.

Simão Ribeiro recorda que, “no caso das filmagens de atos de bullying nas escolas”, o artigo do estatuto do aluno que suspende os estudantes “nunca foi aplicado”, pelo que a JSD estranha “o comportamento adotado pelas escolas neste caso”, daí que exija “esclarecimentos urgentes do senhor ministro da Educação”.

Depois das fotografias que exibiram pratos com pouca comida, coxas de frango mal cozinhadas, rissóis congelados, e, mais recentemente, lagartas a passear num prato, foi noticiado que diretores de escolas estão a repreender ou a punir alunos que têm fotografado e a divulgado as imagens dos alimentos servidos nos refeitórios.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
210

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)