No final de uma quinzena em que a Altice perdeu quase 50% do valor em bolsa, o administrador financeiro e o responsável pelas relações com investidores tiveram mais uma chamada com analistas e investidores, mais uma de uma sucessão de contactos com a comunidade financeira à medida que as ações derrapavam na bolsa. O Observador falou com um desses investidores, na City londrina, que contou que foi depois desta chamada que decidiu vender todas as ações que tinha da operadora dona da PT/Meo.

“O que me fez vender as ações foi que, numa chamada com o administrador-financeiro [da Altice] e o responsável pelas relações com investidores, eles estavam a perguntar-nos a nós — investidores e analistas — o que é que nós achávamos que eles deviam fazer”, contou ao Observador o especialista, que trabalha com uma das principais casas de investimento na capital britânica. “Isso soou, claramente, a desespero — e fez-me achar que eles não têm um plano, e estão com medo“, apontou o investidor.

O investidor diz, agora, que “infelizmente” não foi dos primeiros a vender — as ações começaram caíram após a última divulgação de resultados. “Decidi vender porque, como investidor nas ações da Altice, não é difícil imaginar um caminho em que as ações recuperam 20% ou 30% — até admito que seja o cenário ligeiramente mais provável –, mas também não é difícil vislumbrar um caminho que as leva a perder 100%. Não me pareceu ser muito prudente continuar com as ações”, atirou o especialista, que prefere não ser identificado.

Contactada pelo Observador, fonte ligada à Altice confirma as chamadas com investidores e analistas mas, sem ter conhecimento preciso sobre o que foi dito, argumenta que o facto de a empresa perguntar aos analistas o que deve a empresa fazer, sobretudo na operação francesa, terá sido uma pergunta quase retórica, com “ironia”. “A empresa sabe o que tem de ser feito e tudo o que tem de ser feito está a ser feito”, notou fonte oficial da Altice, destacando a venda de torres de comunicações em vários países. Se foi com “ironia”, não terá sido bem assim que a mensagem foi interpretada por este investidor — e por vários outros, já que as ações continuaram a cair.

Títulos subiram na 2ª feira, mas voltam hoje a cair

As ações da Altice recuperaram um pouco na segunda-feira, fechando com uma valorização a rondar os 5% depois de a gestão — agora nas mãos de Patrick Drahi — garantir que não está nos planos qualquer aumento de capital. A empresa garantiu que esse não é um cenário que esteja em cima da mesa, mas terá sido por essa razão que as ações caíram tanto nos dias anteriores (um aumento de capital tem um efeito diluitivo do valor das ações existentes).

Apesar da recuperação dos títulos na primeira sessão da semana, a Altice volta esta terça-feira às quedas e perde 4,3% para 8,155 euros por ação.

Altice perto dos valores em que entrou em bolsa

As ações da Altice, que chegaram a valer mais de 33 euros, estão a cotar pouco acima dos 8 euros. Os últimos dias têm sido marcados por fortes perdas e muitos títulos negociados (gráfico de baixo).

O regresso às quedas na bolsa ilustra o desafio que a Altice tem pela frente na recuperação da confiança dos investidores.

“A empresa tem sido gerida de uma forma incrivelmente agressiva. Acumular dívida, comprar empresas, reduzir custos, investir nas melhores redes e tentar dar o melhor serviço aos clientes e, assim, conquistar mercado. A estratégia é inteligente e os líderes da empresa, como [Patrick] Drahi, sabem muito sobre as diferentes tecnologias e como podem ganhar vantagem do ponto de vista tecnológico. O problema é que terão dado um passo maior do que a perna, muito rapidamente, muita dívida, e se a experiência do utilizador não melhora, perdem clientes — é um círculo vicioso”, comentou o investidor que falou com o Observador em Londres.

Ainda há poucos meses, a Altice era apontada como uma das candidatas à compra da telecom norte-americana Charter Communications — avaliada em 185 mil milhões de dólares — mas esses rumores esfumaram-se quando a empresa indicou que vai tomar uma pausa no que a novas aquisições diz respeito. Segundo o Financial Times, Patrick Drahi fez uma tournée junto de vários investidores na Europa na semana passada, apresentando-se com “humildade” mas, também, com um ar um pouco “abatido”.

“Hoje não é dia para desculpas e explicações. É tempo para a ação e para os factos”, terá dito Drahi a investidores presentes num encontro em Barcelona, organizado pela Morgan Stanley. Nesse encontro, Drahi terá admitido que a operação francesa — a SFR — está a ser penalizada por falta de enfoque e problemas operacionais, além de um mau serviço ao consumidor em alguns casos. Segundo o jornal financeiro, contudo, os investidores presentes nesse encontro não terão ficado muito convencidos — até porque não é a primeira vez que Drahi dá o mesmo tipo de garantias de recuperação.