Casa Real

E se Meghan Markle não for a primeira afrodescendente na casa real?

Existe a teoria de que Carlota de Mecklemburgo-Strelitz, mulher do Rei Jorge III de Inglaterra, tinha ascendência africana. Se assim for, Meghan Markle não é a primeira afrodescente na casa real.

Carlota de Mecklemburgo-Strelitz foi rainha consorte de Inglaterra e há quem defenda que tinha ascendência africana.

Commons

Carlota de Mecklemburgo-Strelitz foi rainha consorte de Inglaterra entre 1761 e 1818. Filha de um príncipe alemão e mulher do Rei Jorge III, teve 15 filhos, dos quais 13 sobreviveram até à idade adulta. A teoria de que seria afrodescendente não é unânime, muito menos oficial. Quem a defende é o historiador Mario de Valdes y Cocom, com base em retratos da monarca, em relatos escritos da época, mas também numa árvore genealógica que liga a nobre alemã a Portugal.

Segundo o mesmo historiador, Carlota descendia de uma parte negra da família real portuguesa. Mas de quem? A referência é Margarita de Castro e Souza, uma nobre do século XV que descendia, por sua vez, de Madragana Ben Aloandro, amante de Afonso III e cuja origem moura nunca chegou a ser confirmada. Nisto, vão mais de 10 gerações.

À partida, alegar a ascendência africana da rainha britânica parece disparatado, não fossem os retratos da época bastante reveladores. Apesar da tez branca, os traços faciais da rainha — os lábios grossos e o nariz largo — remetem para uma fisionomia específica, tal como alguns relatos. Segundo escreve o The Guardian em 2009, a rainha, já em idade avançada, terá sido descrita como tendo “cara de mulata” pelo barão Christian Friedrich Stockmar.

A rainha Carlota de Inglaterra com os dois filhos mais velhos numa pintura de Allan Ramsay © Commons

“Se ela era negra, isso levanta uma série de sugestões, não só em relação à casa real britânica mas na Europa, tendo em conta que os descendentes da rainha Vitória estão espalhados pela maioria das famílias reais europeias. Se classificarmos Carlota como negra, então a Rainha Vitória e toda a nossa família real, até ao príncipe Harry, também é negra… um conceito muito interessante”, afirma a historiadora Kate Williams ao The Guardian.

A questão ganhou pertinência com o anúncio do noivado do Príncipe Harry com a atriz norte-americana Meghan Markle. A possível chegada da primeira afro-descendente à casa real britânica recuperou a curiosidade história em torno da rainha Carlota, avó da rainha Vitória, mesmo que as probabilidades de Meghan vir a subir ao torno sejam muito reduzidas (Harry é o quinto na linha de sucessão).

Mas a teoria de Valdes é desacreditada pela maioria dos historiadores. Em 1994, na série “A Loucura do Rei George”, o papel de rainha Carlota foi desempenhado por Helen Mirren e de facto atriz mais branca que esta não há. Durante o seu reinado, Carlota deixou marcas muito mais relevantes em Inglaterra. Era conhecida como mecenas das artes, mantinha relações próximas com Bach e Mozart e fundou os Jardins de Kew, hoje património da UNESCO.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Pais e Filhos

Deixem a adolescência em paz! /premium

Eduardo Sá
9.539

Dêem-lhes tempo para ser adolescentes! Deixem-nos errar. Deixem-nos querer mudar o mundo. Deixem-nos ter sonhos. Deixem-nos pôr os pais em causa. Mas não deixem (nunca!) de ser pais. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)