Rádio Observador

Ministério da Agricultura

Capoulas Santos: “Faria sentido” Ministério da Agricultura sair de Lisboa

770

O ministro Capoulas Santos admite que "faria sentido" deslocalizar o Ministério da Agricultura. Em entrevista à RR fala ainda da importância dos projetos de florestação.

Capoulas revela que nas medidas florestais, que têm no seu conjunto 540 milhões de euros, estão a pagamento 240 milhões de euros

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, lamenta que se tenha acabado com os balcões concelhios de apoio aos agricultores e defende que “faria sentido” o Ministério da Agricultura sair de Lisboa. Em entrevista à Rádio Renascença, o governante diz que gostaria de acabar a carreira política deixando na floresta uma “herança” semelhante à que deixou no Alqueva, também, na altura, criticada por muitos.

“Sim, faria sentido [o Ministério da Agricultura sair de Lisboa]. Fiz toda a minha carreira como funcionário do Ministério da Agricultura e aquilo que mais me entristeceu nos últimos anos, fruto de vários governos, foi ter visto o sucessivo desmantelamento do ministério e particularmente nas zonas onde mais devia estar, que era nos territórios rurais“, afirmou Capoulas Santos, referindo-se aos “balcões concelhios onde estava o apoio aos agricultores” que foram concentrados nas sedes distritais e nas sedes regionais. As associações agrícolas têm “ocupado esse espaço” deixado livre pelos tais balcões, acrescentou o governante.

Os fogos não ficaram de fora da entrevista, nomeadamente no que à floresta diz respeito. Questionado sobre como se convence as pessoas a plantar outras espécies que não o eucalipto e o pinheiro, o ministro admitiu que “a única forma de garantir que há investimento nessas espécies é integrando-as em projetos de florestação”.

E aludiu ao diploma criado no âmbito da reforma da floresta que “cria as entidades de gestão florestal que visam criar condições para que o minifúndio possa ter dimensão, integrado em cooperativas ou empresas, que beneficiarão de um generoso regime de incentivos fiscais e que irão florestar de acordo com planos de gestão florestal, onde esse conjunto de espécies têm o seu espaço”.

Além disso, lembrou, o “Estado vai avançar com uma empresa pública” de forma a que essas mesmas entidades “geridas profissionalmente possam apresentar a essas pessoas, por exemplo, a hipótese do arrendamento dessa sua pequena parcela, que passa a ter um rendimento anual garantido”.

Questionado também sobre o fim dos guardas florestais, Capoulas Santos sublinhou que esse grupo de profissionais não desapareceu. “Os guardas florestais não acabaram porque eles estão na GNR, que criou, há pouco mais de dez anos, um serviço próprio da natureza — o SEPNA. Na altura, os guardas florestais eram cerca de 600. Neste momento existem cerca de 600 SEPNA e 300 guardas Florestais. Portanto, existem mais 300 do que existiam nessa altura.” E ainda mais “umas centenas de vigilantes da natureza”.

De lembrar que o ministro da Administração Interna já veio entretanto anunciar um reforço dos elementos do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR de 600 para 1.100 e de guardas florestais de 300 para 500 elementos já em 2018.

Medidas, medidas, medidas. E dinheiro? “Estamos a executar o programa de desenvolvimento rural, que tem quatro mil milhões de euros para o período de 2014 a 2020. Só nas medidas florestais, que têm no seu conjunto 540 milhões de euros, estão a pagamento 240 milhões.” E, além dos fundos comunitários, vem também dinheiro do Orçamento do Estado, por exemplo, para as medidas destinadas aos pequenos agricultores na região dos incêndios.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)