O antigo médico da equipa de ginástica dos Estados Unidos, Larry Nassar, que em novembro admitiu ter molestado várias raparigas enquanto trabalhava para a equipa, foi condenado por um tribunal do Michigan, esta quinta-feira, a 60 anos de cadeia por posse de pornografia infantil.

De acordo com a Associated Press, a juíz de distrito Janet Jeff disse que o médico “nunca mais deve ter acesso a crianças” e determinou que Nassar só começaria a cumprir a sentença assim que os restantes casos em que é acusado de abuso sexual estejam concluídos. A pornografia infantil foi descoberta no ano passado, quando Larry Nassar já estava a ser investigado.

Antigas ginastas norte-americanas denunciam abusos do médico

Larry Nassar abusou sexualmente de diversas ginastas da equipa dos EUA, incluindo as olímpicas das “Fierce Five” Aly Raisman, Gabby Douglas e a medalhada McKayla Maroney, que descreveu Nassar como um “monstro” que lhe deixou “marcas psicológicas que talvez nunca desapareçam”.

O médico, de 54 anos, admitiu ter “penetrado manualmente” as raparigas, conduta que disse não ter qualquer propósito médico, ao contrário daquilo de que convenceu as ginastas.

“O nosso silêncio deu poder às pessoas erradas demasiado tempo”: o chocante testemunho de McKayla Maroney

Além dos 60 anos de cadeia, espera-se que Nassar seja ainda condenado a pelo menos mais 25 anos de cadeia pelos casos de abuso sexual, sendo essa a sentença mínima pedida pelo Ministério Público. No entanto, o juiz pode determinar que a pena chegue aos 40 anos.

Os advogados de defesa de Nassar disseram, em comunicado, que o antigo médico “se arrepende profundamente da dor que causou à comunidade”, escreve a AP. Larry Nassar, que foi o médico da equipa de ginástica dos EUA durante quase duas décadas, está ainda a ser processado por mais de cem raparigas e mulheres.