Rádio Observador

Ginástica

“O nosso silêncio deu poder às pessoas erradas demasiado tempo”: o chocante testemunho de McKayla Maroney

470

Depois de Aly Raisman, outra ginasta americana de topo assumiu os constantes abusos do médico Larry Nassar: McKayla Maroney, que contou de forma pormenorizada os horrores que sofreu desde os 13 anos.

McKayla recordou uma viagem de avião para Tóquio onde terá sido drogada pelo médico da equipa de ginástica, Larry Nassar

Getty Images

McKayla Maroney ganhou duas medalhas de ouro nos Campeonatos do Mundo de 2011 com 15 anos. E conquistou mais um ouro e uma prata nos Jogos Olímpicos de 2012. E voltou a ganhar o ouro nos Mundiais de 2013. Retirou-se em 2016. Agora, com 21, decidiu partilhar aquilo que escondeu durante anos a fio: um passado difícil, com abusos sexuais desde os 13, que muitas vezes colocou a ginasta a pensar se haveria dia seguinte. E, em nove parágrafos postados no Twitter, conseguiu provocar um misto de choque e de solidariedade.

“As palavras de toda a gente nos últimos dias têm sido tão inspiradoras para mim. Sei como é difícil falar publicamente sobre algo tão horrível e tão pessoal, porque também me aconteceu.

As pessoas devem saber que isso não acontece apenas em Hollywood. Isso acontece em todo o lado. Onde quer que exista uma posição de poder, parece haver potencial para abusos. Eu tinha o sonho de ir aos Jogos Olímpicos e as coisas que tive de suportar para lá chegar foram desnecessárias e repugnantes.

Fui vítima de abusos pelo dr. Larry Nassar, o médico da equipa nacional de ginástica dos Estados Unidos e da equipa olímpica. O dr. Nassar disse-me que estava a receber ‘tratamento médico necessário que tinha vindo a fazer nos seus pacientes ao longo de 30 anos’. Começou quando tinha 13 anos, num dos meus primeiros campos de treino da equipa nacional, no Texas, e não terminou até deixar o desporto. Parecia que, quando e onde pudesse, o homem arranjava maneira de ser ‘tratada’. Aconteceu em Londres antes da minha equipa e eu ganharmos a medalha de ouro, aconteceu antes de ganhar a minha prata. Para mim, a noite mais assustadora da minha vida aconteceu quando tinha 15 anos. Voei com a equipa durante todo o dia e à noite para Tóquio. Ele deu-me comprimidos para dormir durante o voo e a coisa seguinte que me recordo é de estar sozinha no meu hotel a receber ‘tratamento’. Pensei que ia morrer nessa noite.

Os Jogos Olímpicos é algo que traz às pessoas esperança e alegria. Inspira as pessoas para lutar pelos seus sonhos porque nada é impossível com muito trabalho e dedicação. Lembro-me de ver os Jogos de 2004. Tinha oiro anos e disse a mim mesma que um dia iria usar aquela malha vermelha, branca e azul e que iria competir pelo meu país. Claro que, vendo de fora, é uma história fantástica. Consegui. Cheguei lá, mas não sem um custo.

As coisas têm de mudar… Mas por onde começamos? Não sou uma especialista, mas estas são as minhas ideias;

Um: falar e chamar a atenção para os abusos que acontecem;

Dois: pessoas, instituições, organizações, especialmente aquelas em posições de poder têm de ser responsabilizadas pelas suas ações e comportamentos inapropriados;

Três: educar e prevenir, a qualquer custo;

Quatro: ter tolerância zero com os abusadores e aqueles que os protegem.

É possível pôr fim com este este tipo de abusos? É possível que os sobreviventes falem sem colocarem as suas carreiras e os seus sonhos em risco? Espero que sim.

O nosso silêncio deu poder às pessoas erradas durante muito tempo e é tempo de recuperar de novo o poder.

E lembrem-se, nunca é demasiado tarde para falar.

McKayla, primeira americana a conseguir revalidar o título mundial no salto, sempre foi um exemplo no país.

Filha de um antigo jogador de futebol americano e de uma ex-patinadora, entregou-se desde miúda à ginástica, tendo como principal referência a campeã olímpica de 2004, Carly Patterson. Ficou também conhecida por ser uma das ‘Fierce Five’, a equipa norte-americana que dominou os Jogos de 2012 em Londres. E com outra curiosidade: após ter ficado apenas com a prata no salto, a expressão com o lábio torcido, como que duvidando das notas atribuídas, acabou por tornar-se viral, ao ponto de, quando foi recebida na Casa Branca, ter tirado uma fotografia com a mesma cara ao lado de Barack Obama… que não lhe ficou atrás. Depois de se ter retirado por problemas físicos, aos 20 anos, anunciou que vai arriscar uma carreira na música, ao mesmo tempo que tentará prosseguir as aparições como atriz, como a que teve na popular série ‘Ossos’.

McKayla Maroney e a expressão viral “not impressed” que foi imitada por Barack Obama na Casa Branca (Pete Souza/The White House via Getty Images)

O testemunho de McKayla vem no seguimento de muitos outros ligados a Larry Nassar, atualmente detido, como o da capitã e também campeã olímpica Aly Raisman, que deu o passo em frente em agosto para se tornar numa espécie de símbolo na luta contra a regeneração da ginástica norte-americana, que tem estado em ebulição.

Temos de abordar esta questão. As raparigas deveriam sentir-se cómodas em chegar à equipa e dizer claramente: ‘Preciso de ajuda, quero terapia’. Parece que as pessoas ainda não se deram conta de que este senhor foi médico da equipa durante 29 anos. Tenha ou não feito algo a cada uma das ginastas, elas conhecem-no, sabem quem é. Para aquelas de quem não abusou, fica sempre o trauma e a ansiedade de pensar o que poderia ter acontecido”, tinha destacado AlyRaisman, em agosto

Recorde-se que, no seguimento de uma grande reportagem do Indy Star, de Indianapolis, sobre os alegados abusos sexuais de treinadores e membros do staff em alguns dos 3.500 ginásios em todo o país, a Federação Americana de Ginástica iniciou uma investigação independente para aferir sobre a situação e alterar as políticas adotadas pela organização.

Em junho, 70 recomendações feitas pela antiga procuradora Deborah Daniels foram aceites e qualquer ginásio que não seguisse esse guião seria automaticamente excluído da USA Gymnastics. Foi também contratado Toby Stark, advogado, para dirigir o programa SafeSport.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)