Manuais Escolares

Governo ainda não pagou manuais escolares que ofereceu

1.072

Governo ainda não pagou todos os manuais escolares oferecidos aos alunos do 1º ciclo. Diretores de escolas falam em livrarias e papelarias em pré-falência. Ministério diz que está a resolver.

Este ano os manuais do primeiro ciclo são gratuitos para as crianças que frequentam escolas públicas

LUSA

Autores
  • Miguel Santos Carrapatoso
  • Marlene Carriço

O Governo ainda não pagou às livrarias e papelarias todos os manuais que foram oferecidos aos alunos do 1.º ciclo. Há relatos de livrarias em sérias dificuldades financeiras e os diretores das escolas dizem-se impotentes para resolver o problema. O Ministério da Educação, no entanto, garante que se tratam apenas de acertos em falta e que tudo está a ser resolvido.

A informação foi avançada esta manhã pela TSF, que deu destaque às denúncias da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP). À mesma rádio, Filinto Lima, presidente da associação, assegurou que o dinheiro continua retido pelo Executivo socialista, situação que põe em causa a sobrevivência de pequenas livrarias e papelarias.

“A verba vai ter de ser entregue às escolas para nós pagarmos esses manuais às pequenas e grandes livrarias. Esta gente está a arder. Esta gente deu os manuais aos alunos, com certeza, e agora está à espera de ser ressarcida, de ser paga”, afirmou Filinto Lima, relatando casos de livrarias mais pequenas com problemas de falta de liquidez para encarar despesas correntes.

Mais: de acordo com o presidente da ANDAEP, a informação que foi prestada a alguns diretores de escola foi a de que o pagamento dos manuais escolares já não vai acontecer este ano. “A verba não foi libertada. No ano passado isto foi um bocadinho mais célere. Acho que em outubro, novembro, estava a ser pago. Temos a indicação de que neste ano civil não vai ser pago. Será no próximo ano civil, mas não sabemos quando”, acrescentou.

Segundo o dirigente, na escola onde é diretor a dívida é já quase de 50 mil euros. E o problema deve agravar-se quando, no próximo ano letivo, os manuais escolares forem oferecidos também aos alunos dos 5º e 6º anos — até ao momento, só estavam abrangidos os alunos do 1º ciclo. “Sabemos que estamos em dívida para com eles. E esse dinheiro não vai chegar tão cedo”, avisa o dirigente da ANDAEP.

Ministério garante que está a resolver situação

Entretanto, o Ministério da Educação enviou uma nota oficial à TSF onde explicou que a verba para pagar manuais do 1.º ciclo foi transferida para todas as escolas com base numa estimativa do número de alunos inscritos nos respetivos estabelecimentos e que o que falta agora é liquidar as verbas em falta, fruto dos acertos.

O Ministério de Tiago Brandão Rodrigues esclarece que como em muitos casos o número de alunos efetivamente inscritos é superior à estimativa inicial e é agora necessário proceder a acertos, o que já está a ser corrigido.

Contactado pelo Observador, Filinto Lima confirma que se trata de verbas relativas aos tais “acertos”. “Essa explicação temos de aceitar, mas o problema é que o Governo devia ser mais célere a pagar.”

“E aqui aponto o dedo a quem tem tido elogios: Mário Centeno não pode descurar a economia nacional, os pequenos fornecedores. Por pouco dinheiro que seja faz diferença para as pequenas papelarias. E o problema é que isto é recorrente”, rematou o dirigente escolar que ficou “contente por saber que até ao final do ano o problema ficará resolvido”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Nunca haverá impostos que cheguem /premium

Helena Garrido
398

Manuais escolares e descentralização, ou como o Estado vai aumentando a despesa pública. São medidas que trazem custos certos e benefícios incertos ou nulos. Com a descentralização podemos até piorar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)