Mercado Imobiliário

Imobiliário em Portugal teve “ano espetacular”, e “é sustentável”, diz consultora JLL

261

Consultora JLL Portugal calcula que tenha havido um investimento recorde em imobiliário comercial, 50% acima do ano anterior. E também o segmento residencial está em alta, sobretudo as casas "premium"

MÁRIO CRUZ/LUSA

O investimento em imobiliário comercial em Portugal terá ascendido a 1.900 milhões de euros em 2017, cerca de 50% mais do que o valor registado no ano transato. Esta é a estimativa da consultora JLL Portugal, que constata que nos mercados de habitação, escritórios, retalho e hotelaria, 2017 foi um ano de forte crescimento nas transações e de um “aumento evidente dos preços e rendas”.

“2017 foi um ano espetacular para o mercado imobiliário em Portugal. Já não estamos a falar de um percurso de recuperação, mas sim de expansão”, afirma Pedro Lancastre, diretor-geral da JLL Portugal, em comunicado de imprensa difundido esta quinta-feira.

O responsável defende que “no investimento e na atividade de ocupação e venda de escritórios, habitação e hotelaria, atingiram-se volumes de negócios e crescimento de valores que superam máximos atingidos no mercado. É um crescimento sustentado e sustentável, porque as fontes de procura são hoje muito mais diversificadas e o posicionamento de Portugal na captação de capital internacional não é conjuntural”.

Além do crescimento no setor empresarial, a consultora assinala que o mercado residencial segue com uma média de crescimento em torno dos 20% em número de alojamentos vendidos (dados do INE até ao terceiro trimestre) quer para o total de Portugal quer para Lisboa, onde se regista um aumento médio de preços na ordem dos 11%.

O segmento premium mantém-se como um dos mais dinâmicos e apresenta, em média, valorizações dos preços de 10% a 20% nas principais zonas de Lisboa, com algumas zonas a apresentarem subidas superiores 30%. Com um valor médio de venda na ordem dos 630 mil euros para este tipo de produto em Lisboa, a amostra de transações residenciais concluídas pela JLL em 2017 demonstra que portugueses e estrangeiros protagonizam as vendas em partes iguais (50% cada).”

A JLL Portugal sublinha que é “óbvia a diversificação da origem dos compradores, com cerca de 50 nacionalidades a adquirirem casas em Lisboa ao longo de 2017”.

Neste contexto favorável, a empresa diz ter tido o melhor ano de sempre desde que está em Portugal, “quase duplicando o crescimento médio anual dos últimos dois anos”. “Este ano excecional para a empresa e para o mercado imobiliário espelha também o contexto económico favorável e que surpreendeu pela positiva, numa altura em que as agências de notação reviram em alta o rating da dívida portuguesa. A conjugação destes fatores impulsionou o crescimento económico, a confiança internacional, o financiamento e o investimento”, remata Pedro Lancastre.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)