A requalificação do claustro real, a criação de uma nova loja e bilheteira e a instalação de um elevador no claustro D. Afonso V são projetos a concretizar nos próximos três anos no Mosteiro da Batalha, anunciou o diretor do monumento.

Reconduzido no cargo para mais três anos à frente do terceiro monumento nacional mais visitado, Joaquim Ruivo adiantou à agência Lusa que os melhoramentos visam “não só a conservação, como também um melhor circuito de visita”. “Os projetos estão bem encaminhados com os serviços técnicos da Direção Geral do Património Cultural. Temos dois anos, no máximo três, para os concretizar”. No caso do claustro real, está prevista a limpeza e tratamento, para conservação do espaço.

Este ano, vão também entrar em funcionamento as bilheteiras automáticas, que serão deslocalizadas posteriormente, tal como a loja do Mosteiro da Batalha, que passará para o claustro D. Afonso V, onde anteriormente já funcionaram os bombeiros. Precisamente para esse claustro está a ser pensado um elevador que, nota o diretor do monumento, “tornará o monumento 100% acessível”.

Em 2017, o Mosteiro da Batalha recebeu mais de 492 mil visitantes, um crescimento de 24%, “acima de qualquer valor médio nacional”, salienta Joaquim Ruivo. “Não andamos a competir por turistas. Mas os números espantam”, reconhece, admitindo que a vinda do papa Francisco a Fátima contribuiu para a maior afluência. Contudo, “já em 2016, sem celebrações em Fátima, subiu 20%. Foi igualmente significativo”.

Joaquim Ruivo considera que a promoção feita pela Agência Regional de Promoção Turística, a aposta em visitas encenadas nos serviços educativos, a dinâmica do corredor Fátima-Óbidos e a projeção internacional do Mosteiro da Batalha como “obra-prima do gótico” têm contribuído para a crescente procura.

À beira de atingir o meio milhão de visitas por ano, o diretor considera que é possível ir ainda mais longe. “Não há ainda um estudo muito profundo feito, mas o mosteiro aguenta até um milhão de visitantes”. Para alimentar o crescimento é vital conquistar os portugueses, porque, dos 492 mil visitantes, cerca de 80% são estrangeiros.

“É essencial projetarmos e motivarmos os visitantes portugueses. Muitos ainda não conhecem este monumento. Alguns vieram cá uma vez na vida e nem se lembram como é. Outros pensam que D. Pedro e D. Inês estão aqui, outros que o Soldado Desconhecido está em Alcobaça. Há uma relação com o seu património de défice de fruição cultural”, considera Joaquim Ruivo.