Para contar esta história, precisamos recuar no tempo. Ugo Bampi estava em Barcelona a terminar um curso de cozinha e empreendedorismo em 2016 quando foi convidado para participar na produção do festival Rock in Rio, em Lisboa. Da Bela Vista ao Parque das Nações foi uma questão de tempo. “Pediram-me para ficar até novembro para a Web Summit. Durante o dia praticava receitas e à noite estava na produção do evento”, conta.

Em Portugal, reencontrou Fabiana Moulin, também brasileira, amiga e vizinha do bairro no Rio de Janeiro, onde morava. Juntos, começaram a desenhar um plano de negócios para um projeto de inclusão social através da alimentação. O sucesso do evento tecnológico, o número de turistas que chegavam todos os dias a Lisboa e a segurança do país fizeram acelerar o processo.  “Percebemos que havia uma oportunidade”, refere Fabiana Moulin, sócia e uma das fundadoras do The Food for Real.

A ideia inicial era procurar uma cozinha industrial onde pudessem produzir as suas próprias receitas. Até que um dia, a passear por Alcântara, onde moravam, viram o anúncio de um espaço. “Mas era um café”. Olharam um para o outro e pensaram que podia ser a oportunidade que precisavam. “Conseguíamos expor os nossos produtos e chegar mais perto às pessoas do bairro”, confidencia Ugo.

Inauguram o The Food for Real, um espaço em Alcântara dedicado a opções vegans, vegetarianas e sem glúten há precisamente um ano e agora é altura de tentar chegar ainda mais longe. “A ideia era ajudar as pessoas intolerantes ou alérgicas ao glúten e à lactose ou que simplesmente optam por de uma alimentação adaptada ao estilo de vida atual”, descrevem.

Para não ter uma mudança drástica nem chocar o bairro conservador, mantiveram o mesmo fornecedor do café e dos salgados, procurando não quebrar a rotina. Como a da dona Maria, de 85 anos, há 40 no bairro. “Os moradores entravam no café a medo e tentavam descobrir as diferenças. É um bairro muito tradicional”, refere. Só depois do primeiro mês começaram a colocar na montra o pão de mandioca com chia e orégãos, os pratos vegetarianos e o brunch vegan.

O organismo agradece

De um lado, a criatividade do Ugo na cozinha, em criar pratos com poucos ingredientes. Tudo com produtos sazonais, sem agredir o meio ambiente e apoiar os produtores locais. Do outro, a especialização em sustentabilidade da Fabiana em vários projetos de inclusão social no Brasil e no Panamá.

Juntos, trouxeram uma leitura mais ousada, com alguns ingredientes que eram presentes na culinária portuguesa e podiam dar outro sabor aos pratos. Lançaram os pães de mandioca, de batata doce ou ghee clarificada, a manteiga saudável. “Engraçado ver a desconfiança de algumas pessoas mais velhas do bairro começarem a provar o pão sem glúten ou o lanche sem lactose. E gostarem. É muito gratificante ver estas mudanças”, conta Fabiana.

Tal como uma mãe que passou a frequentar o café porque nunca conseguia comer no mesmo espaço que o filho de 12 anos por causa das restrições alimentares rigorosas que ele tem. “Ela deixou de fazer refeições fora de casa porque era difícil encontrar algum sitio que servisse os dois”, contam.

Ou a cliente que apresentou um cartão do nutricionista com as suas 20 intolerâncias alimentares e conseguiu almoçar com uma colega de trabalho. “Trabalhavam juntas há dois anos e nunca conseguiam almoçar por causa das restrições dela. Hoje foi possível”, explica Fabiana. Ou como o estigma dos colaboradores de uns escritórios vizinhos de que a comida saudável não tem sabor. “Começamos a apresentar alguns produtos e pouco tempo depois, já comiam as opções vegans, sem sacrifício e saciados”, explica.

E as mudanças na saúde dos clientes como a Paula, uma das clientes habituais, que já perdeu 10 quilos com os almoços saudáveis que faz todos os dias no The Food for Real. “Se tiver, pelo menos, uma refeição funcional, o nosso organismo agradece”, explica Fabiana, recorrendo a um exemplo pessoal. Depois de uma crise de enxaqueca durante cinco meses, a jovem de 33 anos descobriu que o problema estava na alimentação que fazia. Decidiu aventurar-se na cozinha, juntar ingredientes como os orégãos ou o queijo feta vegan para dar mais sabor aos pratos. “O pão de mandioca com orégãos nasceu da minha reeducação alimentar. Adicionei outros produtos para fugir ao pão”, explica Fabiana.

O The Food for Real não quer ser mais um espaço da moda, em relação ao glúten, ao vegetariano ou vegan. “Queremos a experiência da alimentação, de comer bem e de verdade, de promover a inclusão social e quebrar barreiras”, reforça. Além da loja online, o café em Alcântara tem um serviço de take away onde é possível encomendar o prato do dia, produtos como o banana cake, dadinhos de tapioca, pão de mandioca ou granola salgada para consumir em casa. “Queremos levar o nosso conceito para dentro da casa das pessoas e levá-las a ter uma experiência saudável na zona de conforto”, conta.

Por isso, estão a trabalhar em catering para eventos, casamentos, levando o conceito de inclusão para mesa de almoço de uma empresa ou para a festa de amigos.

Ainda conseguem tempo para dar formação num projeto social com jovens com pequenas deficiências que não encontram emprego. “Damos o módulo de alimentação, prepará-los para o mercado, ensiná-los a ir ao supermercado, a ver os rótulos, a limpar alimentos ou embalar”, descrevem.

De Alcântara para o mundo

Além das pessoas do bairro, enchem as mesas da esplanada do The Food for Real com franceses, alemães e ingleses. Hoje 40% dos seus clientes são estrangeiros. “Há quem desista do pequeno-almoço do Pestana Palace para vir ter uma experiência aqui”, explica. Receberam, inclusive, um pedido de parceria de uma agência de turismo francesa em Lisboa.

E os pedidos de franchising já começaram, vindos da Alemanha, Espanha, França, Brasil e Estados Unidos. “A prioridade é fazer uma marca sólida, respeita e o conceito bem difundindo. Sempre o selo de qualidade de alimentação”, concluem.

Em breve vão organizar workshops para ensinar a fazer lanches saudáveis, almoços fáceis e rápidos para levar para o trabalho ou menus de jantares de amigos. “Mas sabe qual é a maior satisfação? É o prazer de ver qualquer pessoa comer sem culpa e sem ser excluída”, diz Fabiana. Entretanto, a dona Maria chegou. É hora do lanche e o banana cake, sem glúten, nem lactose, está pronto.

Nome: The Food for Real
Morada: Rua dos Lusíadas, nº 51 A
Horário: Terça a sábado das 8h às 18h