O partido sul-africano Congresso Nacional Africano (ANC) deu 48 horas a Jacob Zuma para se demitir, avançam os órgãos de comunicação da África do Sul. Caso contrário, o presidente poderá perder o apoio do partido e ser obrigado a abandonar o cargo antes do fim do mandato, que termina em 2019.

Zuma terá sido informado da decisão do ANC pelo líder do partido, Cyril Ramaphosa, e pelo secretário geral, Ace Magashule, que se deslocaram esta segunda-feira à noite até à residência presidencial, em Pretoria, depois de terem estado reunidos com os restantes membros do comité executivo nacional, o órgão máximo do grupo partidário.

O ANC esteve reunido de emergência durante cerca de dez horas no hotel St. George, em Pretoria, para decidir se Zuma, de 75 anos, deve ser afastado do cargo que ocupa há nove anos. O presidente da África do Sul é suspeito de uma longa lista de crimes que incluem, entre outros, casos de corrupção relacionados com a compra de equipamento militar nos anos 90.

Nas últimas semanas, Jacob Zuma tem estado em conversações com Cyril Ramaphosa, que lhe sucedeu na presidência do ANC nas eleições de dezembro passado, para abandonar a presidência, mas tem sempre resistido. Uma das condições que se especula que esteja em cima da mesa de negociações é a imunidade para o presidente. Caso Zuma insista em permanecer no cargo, o ANC pode levar ao Parlamento uma moção de censura que poderá derrubar definitivamente o líder sul-americano.