Rádio Observador

PSD

“Que estranha forma de unir o partido”. Distritais que apoiaram Rio estão “magoadas”

193

É o congresso do mau-estar. Além da polémica escolha de Elina Fraga, as distritais que apoiaram Rio estão "magoadas" por terem ficado de fora. Resultado: uma corrida às listas alternativas.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O lema de Rui Rio até podia ser o da união, mas o que se assistiu entre o fim da tarde e a noite deste segundo dia de Congresso do PSD foi tudo menos união. Muitas das distritais que se empenharam em apoiar Rui Rio na corrida interna, e que conseguiram virar o jogo a favor do atual líder, não viram o esforço recompensado no momento da elaboração das listas. É o caso de Viseu, Algarve, Santarém ou Setúbal, que ficaram “sem quase nada” — e agora estão “zangadas” e “magoadas”. “Isto é inédito, não se dignaram a ouvir as distritais e conseguiram deixar fora do mapa aqueles que mais o apoiaram [a Rio]”, diz ao Observador um dirigente distrital. Nem ao grupo parlamentar, que já estava chateado, Rio deu um bombom: até os deputados que o apoiaram, como Emídio Guerreiro, Cristóvão Norte ou Carlos Peixoto, ficaram sem nada.

Resultado: haverá sete listas ao Conselho Nacional opostas à lista de Rio e Santana. Uma delas é encabeçada pelo líder da distrital de Setúbal, Bruno Vitorino; e a habitual lista de Sérgio Azevedo e Carlos Reis, de Lisboa, terá desta vez o apoio de algumas das concelhias mais fortes do partido, como Trofa, Gaia, Lousada, Penafiel, Matosinhos, Odivelas, Barcelos ou Figueira da Foz — podendo ter um resultado “surpreendente”.

E tudo em nome da união entre a ala vencedora e a vencida. A maratona negocial intensificou-se na sexta-feira à noite e prolongou-se pela madrugada de sábado: Rio e Santana Lopes chegaram a acordo para as listas conjuntas aos principais órgãos nacionais (Conselho Nacional, Conselho de Jurisdição e Mesa do Congresso), com Santana a encabeçar a lista para o Conselho Nacional. A Santana segue-se Paulo Rangel, depois Arlindo Cunha e depois José Matos Rosa (ex-secretário-geral de Passos), e por aí fora até completar os 70 membros que são eleitos para aquele órgão plenário do partido. A lógica foi de proporcionalidade face aos resultados das diretas: 54% de Rio e 46% de Santana. Mas nos corredores do Congresso, o que se sentiu foi tudo menos união. “Que estranha forma de unir o partido é esta em que não se ouvem as estruturas”, diz ao Observador o líder da distrital de Setúbal, Bruno Vitorino, que acabou por lançar uma lista própria ao Conselho Nacional.

Os “donos do partido” e os seus amigos da elite

De acordo com o dirigente distrital, a forma como a equipa de Rio e a equipa de Santana se organizaram para distribuir a representatividade nas listas assemelha-se a uma lógica de donos disto tudo.

Parece que os donos do partido se juntaram, dividiram o partido ao meio e escolheram os amigos”, o resto ficou de fora, diz.

“Isto não é normal, nunca aconteceu. O líder não pode ficar refém das estruturas, mas o partido não pode ser só elites e amigos do líder”, acrescenta.

Desilusão semelhante sentiu Pedro Alves, líder da distrital de Viseu e apelidado por muitos como um dos “grandes derrotados da noite”. Ao distrito de Viseu foi oferecido apenas um lugar no Conselho Nacional, que a distrital não aceitou. E estava longe de ser esta a expectativa que Pedro Alves tinha quando chegou ao Congresso deste fim de semana: diz Pedro Alves ao Observador, sublinhando que Rio estabeleceu, no discurso de abertura, o combate à desertificação do interior como uma das suas prioridades. Por isso, esperava que esse sinal político tivesse “respaldo” na representatividade das listas. Mas não.

“Telefonei a todos os autarcas e dirigentes do distrito, e ninguém quis aceitar, porque um lugar na lista não é dar um sinal político de prioridade para o interior”, diz Pedro Alves, pedindo à direção de Rio “mais respeito pelos militantes”. Nas diretas que elegeram Rui Rio, Viseu teve o segundo melhor resultado em termos de apoio a Rui Rio. E agora ficou sem nada.

Situação semelhante aconteceu no Algarve e em Santarém. O deputado Cristóvão Norte, de Faro, “virou o Algarve todo para apoiar Rui Rio”, conseguiu esse apoio, e no final, ficou sem nada. Santarém, cujo líder distrital, Nuno Serra, apoiava Santana, perdeu para Rui Rio — mas essa proeza de nada lhes valeu também. “Ao olhar para estas listas, Santarém ficou completamente fora do mapa, perdeu tudo o que tinha com a direção de Passos”, diz ao Observador uma fonte, lembrando que de nada valeu Santarém ter dado vitória a Rio nas diretas de janeiro.

Pormenor adicional: Rio deixou de fora das listas praticamente todas as figuras do grupo parlamentar, que já estavam aborrecidas por causa da escolha de Fernando Negrão para a nova direção da bancada. “Podia ter dado um sinal de união aí, mas não deu a mão a ninguém, nem aos deputados que mais o apoiaram”, ouve o Observador de uma fonte, que lembra que na próxima quinta-feira, quando a bancada votar no novo líder parlamentar, Fernando Negrão pode mesmo ter mais votos em branco do que a favor.

O ambiente nas estruturas do partido durante a noite de sábado era de “descontentamento generalizado”. O Observador confirmou que no domingo, à hora das votações, vão estar em jogo oito listas ao Conselho Nacional — órgão máximo entre Congressos. Além da lista da unidade, e da lista do líder da distrital de Setúbal, há ainda a habitual lista de Carlos Reis e Sérgio Azevedo, que pode ter um resultado maior do que o habitual; a lista de Joaquim Biancard da Cruz, ex-candidato à Câmara de Sobral de Monte Agraço, e a lista de João Costa, que foi candidato à concelhia de Leiria. Ao Conselho Nacional de Jurisdição, concorrem quatro listas.

Há dois anos, em 2016, a lista de Pedro Passos Coelho ao Conselho Nacional do PSD, encabeçada por Marques Guedes, conseguiu eleger 33 dos 70 lugares deste órgão, quase o dobro do alcançado em 2014 (quando teve como primeiro nome Miguel Relvas e apenas conseguiu eleger 18 conselheiros).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral
223

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)