Os accionistas da Tesla aprovaram um plano de pagamentos de bónus ao seu presidente executivo, Elon Musk, que pode atingir os 2,6 mil milhões de dólares (2,1 mil milhões de euros). Mas há uma condição: a Tesla terá de cumprir uma série de objetivos e registar um valor de mercado, em 2028, de 650 mil milhões de dólares (528,9 mil milhões de euros).

A Tesla vale 55 mil milhões de dólares neste momento em bolsa. A construtora de carros elétricos tem 10 anos para atingir o valor de mercado de 650 mil milhões de dólares. Se tal acontecer, Musk irá receber a totalidade do prémio final: são 2,6 mil milhões de dólares, ou 2,1 mil milhões de euros, praticamente mil vezes mais do que ganhou no ano passado o presidente executivo da EDP. António Mexia recebeu 2,2 milhões de euros brutos.

Se as metas forem alcançadas, Musk tornar-se o homem mais rico do mundo. Mas basta que a empresa receba menos um dólar, que Musk não ganha nada. É caso para dizer tudo ou nada. Ainda assim, o pacote aprovado pelos acionistas, ainda que por uma percentagem abaixo daquela que é normal nestas situações, é já considerado o maior bónus ou prémio de gestão atribuído a um gestor, em função do desempenho da empresa.

Há um carro num foguetão a caminho de Marte: como chegou aqui e até onde pode ir Elon Musk?

Aos 46 anos, Elon Musk é um dos empresários inovadores com mais sucesso nos Estados Unidos. Além da empresa de automóveis Tesla, Musk é também fundador e presidente da SpaceX que no dia 6 de fevereiro, lançou o foguetão espacial Falcon Heavy, considerado “o mais poderoso do mundo”, com um carro elétrico Tesla vermelho.

Outra das suas inovações para reduzir o custo dos voos espaciais, que visam levar seres humanos a Marte até 2024, é conseguir reciclar os foguetões de propulsão, que voltam a Terra em perfeitas condições de reutilização. Musk já tinha anunciado que, no final de 2018, enviaria dois turistas para visitar a Lua, seguindo os passos das famosas missões da Apollo da NASA entre 1960 e 1970.