O Governo português não vai expulsar os diplomatas russos que residem no país. A decisão foi anunciada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros português e surge depois de vários países terem dado ordem de expulsão a representantes russos — incluindo 16 da União Europeia.

Na nota enviada às redações, o ministério liderado por Augusto Santos Silva remete a decisão para “a concertação no quadro da União Europeia” que considera o “instrumento mais eficaz para responder à gravidade da situação presente”.

“Portugal acredita que a concertação no quadro da União Europeia é o instrumento mais eficaz para responder à gravidade da situação presente”, lê-se na nota oficial.

Lembrando que Portugal “condenou imediatamente” o atentado ocorrido em solo britânico, o Governo português limitou-se a dizer que tomava “boa nota das decisões” anunciadas por vários Estados-membros da União Europeia. Neste momento, segundo o levantamento feito pelo próprio Governo português, Moscovo tem 26 diplomatas acreditados no país.

A lista completa dos países que ordenaram a expulsão de diplomatas russos:

  • Estados Unidos (60 diplomatas expulsos);
  • Reino Unido (23);
  • Ucrânia (13);
  • Canadá, Alemanha, Polónia e França (4 cada);
  • República Checa e Lituânia (3 cada);
  • Dinamarca, Albânia, Itália, Espanha e Holanda (2 cada);
  • Noruega, Letónia, Roménia, Croácia, Finlândia, Suécia, Estónia, Hungria e Macedónia (1 cada).

Além de Portugal, há outros dez Estados-membros da União Europeia que não anunciaram a expulsão de diplomatas russos: Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Grécia, Irlanda, Luxemburgo, Malta, Eslováquia e Eslovénia.

Leia a nota completa do Ministério dos Negócios Estrangeiros:

“Portugal toma boa nota das decisões, anunciadas hoje por vários Estados-membros da União Europeia, relativas à expulsão de diplomatas da Federação Russa neles acreditados. Portugal condenou imediatamente o atentado de Salisbury e expressou com veemência a sua solidariedade com o Reino Unido. Além da intervenção em instâncias internacionais como a NATO e a OSCE, participou nos debates ocorridos no Conselho Europeu e no Conselho de Negócios Estrangeiros, de que resultou, designadamente, a decisão de a União Europeia chamar para consultas o seu embaixador em Moscovo. Portugal acredita que a concertação no quadro da União Europeia é o instrumento mais eficaz para responder à gravidade da situação presente.”