O registo de imparidades no Novo Banco levou a prejuízos de 1.395 milhões de euros em 2017. Os resultados, apresentados esta quarta-feira em conferência de imprensa, foram penalizados pelos mais de dois mil milhões de euros registados em imparidades em créditos (e outras exposições) que o banco decidiu acautelar, subtraindo aos resultados.

O Fundo de Resolução vai ser chamado a injetar no banco quase 800 milhões de euros, por desvalorização de ativos (todos legacy, ou seja, do tempo do BES) que estão delimitados no acordo que já previa que estas perdas fossem supridas pelo Fundo de Resolução até ao limite de 3,89 mil milhões de euros. Ainda não se sabe se o Estado será novamente chamado a financiar o Fundo de Resolução para garantir mais esta entrada de capital no Novo Banco, mas é provável que isso aconteça embora numa dimensão inferior a esta entrada de dinheiro.

No ano anterior, 2016, o resultado tinha sido negativo em 788 milhões de euros, já na altura penalizado pela “limpeza” de balanço. O banco deixou, entretanto, em 2017, de ser um banco de transição com a venda de 75% do capital ao fundo norte-americano Lone Star — mas as imparidades ainda não estavam, afinal, concluídas. São os piores prejuízos anuais desde a criação do Novo Banco em agosto de 2014.

O reforço de provisões, de 2.057 milhões de euros, foi quase 50% do que tinha sido feito no ano passado. Como é que se desagrega este valor? 1.229 milhões para perdas em créditos, 135 milhões para títulos, 398 milhões para operações em descontinuação e 134 milhões de euros de provisões para reestruturação.

António Ramalho, o presidente-executivo, realçou que com este registo de provisões as exposições problemáticas — uma “chaga herdada” pelo banco — passaram a estar cobertos a 59%, bastante mais confortável do que média europeia (que é 52%). O valor contabilístico destes ativos legacy (herança problemática do antigo BES), identificados em julho de 2016 no quadro das negociações coma a Lone Star, foi reduzido em 2,5 mil milhões de euros neste período.

Porque só agora foram reconhecidas perdas tão elevadas

Questionado sobre porque só agora foram registadas nas contas perdas tão elevadas, António Ramalho explicou que a maior fatia destas perdas foi reconhecida em operações de crédito no estrangeiro, sobretudo na área de obras públicas e project finance, que tinham sido financiadas pelo antigo Banco Espírito Santo. Países Árabes e Brasil foram mercados referidos por António Ramalho. O gestor sublinhou ainda que o fecho da operação em Londres, previsto no plano de reestruturação, também acelerou o limpeza de perdas nestas operações.

Outra parte dos prejuízos agora assumidos resultou da desvalorização da carteira de participações que estão registadas para a venda, como a seguradora GNB Vida. António Ramalho assumiu que foi feita uma reavaliação da herança dos ativos problemáticos mais profunda, tendo em conta que estamos num fim de ciclo para o Novo Banco que até agora era um banco em transição.

“Chamo a atenção que o Novo Banco foi um banco de transição até dia 18 de outubro de 2017. portanto eu quase que diria que o banco, como vocês hoje o conhecem, um banco normal (ainda que em processo de reestruturação), a dar a cara sobre a forma como quer criar a sua solidez, que está concentrado na atividade com as empresas e particulares, esse banco existe há pouco mais de seis meses.”

O presidente do banco recusou a ideia de que tenham sido constituídas imparidades em excesso, aproveitando a margem financeira dada pelo mecanismo de capital contingente negociado com a Lone Star e que não estava disponível antes do acordo de venda da instituição. Não houve “sobreimparização”, garantiu, acrescentando que o reconhecimento destas perdas foi validado por auditores e órgãos de fiscalização.

Fundo de Resolução injeta quase 800 milhões de euros no banco

Com estes resultados, foi já ativado o mecanismo de capital contingente no valor de 791,7 milhões de euros, que é assegurado por financiamento do Fundo de Resolução, no quadro do acordo de venda do Novo Banco à Lone Star. Esta chamada de fundos, que não é um aumento de capital, mas a entrada de uma receita, sublinhou António Ramalho, permite ao Novo Banco alcançar um rácio de capital (CET 1) de 12,8% e um rácio de capital total de 13%.  Questionado sobre se o Fundo de Resolução vai ter de se financiar junto do Estado para assegurar estes fundos, António Ramalho remeteu para esta entidade que é tutelada pelo Banco de Portugal.

2017 foi assim um ano que ficou marcado pelas injeções de capital, “naturais, necessárias” à nova vida do banco que deixou de ser uma instituição de transição, realçou o presidente executivo António Ramalho.

O responsável explicou os vários fatores que contribuíram para estes resultados “excecionais” em 2017, os maiores prejuízos da curta história do Novo Banco. Para além das imparidades de 2057 milhões de euros, que incluíram 1,3 mil milhões de perdas na carteira de crédito e outras perdas na carteira de participações de operações à venda ou a encerrar, o Novo Banco anulou também ativos por impostos diferidos no valor de 520 milhões de euros. Isto porque, adiantou, considerou-se que estes benefícios futuros não eram recuperáveis nos resultados previsíveis futuros da instituição, face ao plano de negócios fechado com a Comissão Europeia.

Sobre uma nova necessidade de registo de mais imparidades nos próximos anos, “é algo que não podemos afastar“, reconheceu António Ramalho.

Auditoria às falhas na atribuição de créditos

O gestor foi ainda questionado sobre as falhas apontadas pela Comissão Europeia à política de gestão de risco e concessão de crédito da instituição já depois da intervenção do Banco de Portugal.

Bruxelas aponta “deficiências significativas” na gestão do Novo Banco já sob controlo do Banco de Portugal

António Ramalho sublinhou que não houve troca de informação por parte da Comissão Europeia com o Novo Banco e revelou que pediu uma auditoria interna à amostra dos 20 créditos cuja análise levou a DG Comp (autoridade da concorrência europeia) a criticar a gestão destes empréstimos. Os resultados dessa auditoria serão apresentados ao Ministério das Finanças e ao Banco de Portugal. Mas a avaliação interna que fez, até agora, não revelou problemas no processo de decisão e gestão destes créditos dos quais apenas quatro foram atribuídos na gestão do Novo Banco.

Ramalho afasta cenário de dispensa de 1.000 colaboradores

Excluindo a questão do registo de imparidades, o resultado operacional foi positivo: 342 milhões de euros, menos 45 milhões do que no ano anterior. Ao longo de 2017, o banco fechou 64 agências (ficando com 473 balcões). E baixou, também, o número de colaboradores em 608, para 5.488 colaboradores. Os custos operacionais baixaram, portanto, 7,1%.

António Ramalho não revela quais são os planos de mais fechos de balcões e dispensas de colaboradores, explicando que “o fecho de balcões que foi feito até agora estava antecipado”. Para o futuro, “agora estamos a realizar um plano estratégico com reconfiguração da rede de distribuição portanto próximos fechos de balcões serão feitos de uma forma positiva, conforme o que for melhor para o banco”.

Mas Ramalho descartou que, como foi noticiado, o Novo Banco possa dispensar 1.000 trabalhadores por causa da nova injeção por parte do Fundo de Resolução (um organismo estatal com contribuições dos bancos). Esse “valor não é sequer aceitável”, atirou António Ramalho.

O banco reduziu a carteira de crédito em 6,9%, o que corresponde a um valor de 2,3 mil milhões. Isso inclui, sublinha o banco, menos 1,7 mil milhões retirados do balanço que correspondem a crédito não-produtivo. Apesar da incerteza que se continua a viver no banco, foi possível aumentar os depósitos de clientes em 4,1 mil milhões, uma subida de 16% no ano.

O comportamento da atividade bancária normal foi inferior. Mas isso também se deveu ao facto de a operação ter demorado, trimestralmente, um pouco mais do que se previa. O facto de a venda se realizar no terceiro trimestre e não no segundo trimestre penalizou o banco, através do registo das imparidades e das comissões.