As farmácias estatais de Moçambique estão a enfrentar uma crise de medicamentos essenciais, privando de fármacos doentes sem meios para recorrer a farmácias privadas, constatou a Lusa numa ronda pelas principais avenidas de Maputo. Farmacêuticos relatam já ter ficado dois ou mais meses sem reposição de medicamentos básicos, como aspirina, Fansidar, usado para o combate à malária, clorfenamina, usado contra gripes, e aminofilina, broncodilatador.

A maioria da população moçambicana não tem rendimentos para ir a uma farmácia privada, pelo que “a crise de medicamentos é um assunto sério”, contou à Lusa uma farmacêutica na Avenida Salvador Allende, a escassos metros do Ministério da Saúde. “Passam meses sem recebermos medicamentos muito procurados pelos doentes”, disse.

Numa outra farmácia estatal, na Avenida Eduardo Mondlane, a Lusa deparou-se com uma situação em que utentes eram aconselhados a ir a uma farmácia privada do outro lado da estrada, porque faltam os medicamentos mais procurados. “Vai à Farmácia Calêndula, porque aqui não temos salbutamol”, disse um técnico de farmácia a uma utente que procurava ajuda para combater uma crise de asma.

Hoje, as farmácias geridas pelo Estado convivem com as privadas, mas são uma herança do movimento de nacionalizações que se seguiu à independência, em 1975, e que levou à criação da empresa pública Farmac. É esta empresa que gere espaços como um outro, visitado pela Lusa, na Avenida 24 de Julho, e de onde três utentes voltaram para trás, com as respetivas receitas na mão, mas sem medicamentos. “Já não é a primeira vez que venho a esta farmácia e me dizem que não há medicamentos. Queria diclofenac (anti-inflamatório) em pomada e não há”, disse Rosa Cumbe.

Uma técnica de farmácia estagiária contou à Lusa que a crise de remédios se estende às farmácias dos hospitais públicos. “Estou em estágio, mas não sei o que vou lá fazer, porque faltam medicamentos”, relatou.

Maria Sithole, uma paciente, explicou à Lusa que não encontrou medicamentos na farmácia do Hospital Geral José Macamo, tendo sido forçada a recorrer a uma farmácia privada. “As pessoas quase que já desistiram de procurar medicamentos nas farmácias dos hospitais do Estado, porque não há”, acrescentou.

Assimina Ring, uma utente do Serviço Nacional de Saúde, contou que, nas unidades de saúde dos bairros periféricos de Maputo, os únicos fármacos que não faltam são o ibuprofeno e o paracetamol, enquanto o resto escasseia.

Num debate público durante a sua participação em Londres, na cimeira da Commonwealth, em abril, o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, admitiu que o país enfrentou recentemente uma rotura de medicamentos contra a sida, atribuindo a situação ao corte da ajuda internacional, devido ao escândalo das dívidas ocultas do Estado.

Fonte do Ministério da Saúde disse à Lusa que as farmácias estatais estão com enormes dificuldades para prover medicamentos, destacando que a situação nas farmácias dos hospitais públicos deve ser analisada caso a caso. “As farmácias estatais são geridas como empresas públicas e como tal enfrentam as dificuldades comuns ao setor empresarial do Estado”, disse a fonte.

Em relação às farmácias das unidades de saúde, os medicamentos que não se encontram em determinados hospitais estão disponíveis noutros, seguindo uma lógica de distribuição adotada pelo Ministério da Saúde.

A Lusa tentou obter mais esclarecimentos junto da Farmac, entidade pública responsável pelas farmácias estatais, mas sem resultados.

As finanças públicas de Moçambique enfrentam dificuldades associadas à variação de preço de recursos naturais e agravadas desde 2016 por um escândalo de dívidas estatais não declaradas de dois mil milhões de euros.