Rádio Observador

Robótica

Quer ver dois robôs a montar uma cadeira do IKEA (provavelmente em menos tempo do que você)?

Quanto demoraria a montar esta cadeira do IKEA, saída da caixa de cartão? Após vários anos de pesquisa, investigadores de Singapura conseguiram que dois robôs a montassem em 20 minutos.

As mobílias da cadeia sueca IKEA são, regra geral, fáceis de montar, sobretudo as peças mais básicas. Isso não impede, contudo, que algumas pessoas — as que sentem menos vocação para a bricolage — sejam fustigadas por momentos de dúvida acerca do seu valor enquanto seres humanos quando olham para a caixa retangular de cartão que acabaram de tirar da bagageira do carro. Esse não é, contudo, um sentimento que tenha abalado os dois robôs desenvolvidos em Singapura e que conseguem montar uma cadeira Stefan em cerca de 20 minutos.

Foi tudo menos fácil conseguir programa os dois robôs para — de forma autónoma e sem dizer palavrões — montarem a cadeira demorando aproximadamente o mesmo tempo que demoraria uma pessoa. A pesquisa e desenvolvimento demorou três anos, mas foi, finalmente, publicada no mês passado na revista científica ScienceRobotics.

Os robôs estão equipados com peças comuns como braços robóticos, sensores e câmaras 3D, além de apanhadores (“pinças”) que reproduzem a dexteridade humana o melhor possível.

O desafio é colocar as peças da cadeira de forma aleatória, à frente dos robôs, e estes têm de ser capazes de tirar as medidas e identificar as peças específicas. “O que o robô faz, depois, é perceber exatamente qual é a posição original da estrutura”, diz o engenheiro Quang-Cuong Pham, da Nanyang Technological University, em Singapura. “Depois, o que ele faz é calcular o movimento dos dois braços de forma automática para apanhar as peças e transportá-las”, acrescenta.

Uma das técnicas que o robô usa, por exemplo, para inserir os “pauzinhos” de madeira que servem para ajudar as peças de mobiliário a segurar-se, em conjunto com os parafusos, envolve uma pequena rotação à volta do buraco, à procura de uma mudança de padrão que indique que é ali que a peça tem de entrar. Isto porque o sensor não tem uma precisão exata para detetar o orifício –precisa de fazer movimentos giratórios para encontrar a “casa”.

Os investigadores dizem que este processo é um primeiro passo para, um dia, ser possível montar um móvel a partir do livro de instruções ou a partir da análise de um objeto já montado.

“Já conseguimos um nível baixo de capacidade que permite ensinar ao robô ‘como fazer’. Nos próximos 10 anos, tarefas mais complexas que envolvam ‘o que fazer’ podem também ser possíveis”, dizem os investigadores, citados pela Reuters.

Quem não rejeita olhar para o que a robótica pode ajudar é a cadeia sueca em causa, a IKEA, que ao Daily Mail disse que “é interessante ver um exemplo de como os robôs podem, potencialmente, contribuir para o nosso objetivo de melhorar o dia a dia das pessoas”. “Estamos muito interessados em incorporar as novas tecnologias nos nossos processos”, afirmou uma responsável da empresa, ao jornal britânico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)