Google

Doodle interativo em 360º celebra Georges Méliès, pai dos efeitos especiais

108

Doodle desta quinta-feira serve para assinalar os 112 anos do lançamento do filme filme 'À la conquête du pôle', de Georges Méliès. É o primeiro criado em realidade virtual (RV)/360°.

Back to the Moon/ Youtube

Já (quase) todos nos habituámos a que a Google nos brinde, em determinados dias, com Doodles — as animações criadas para assinalar e celebrar eventos históricos, festividades e dar destaque a personalidades. O primeiro foi criado em 1998, quando os fundadores da Google, Larry e Sergey, brincaram com o logótipo da empresa para indicar a sua participação no festival Burning Man, no deserto do Nevada.

Esta quinta-feira a empresa voltou a inovar e criou o primeiro Doodle interativo em realidade virtual (RV)/360°, com o objetivo de homenagear o realizador e ilusionista francês Georges Méliès (1861-1938). O Doodle intitulado “Back to the Moon” foi feito em colaboração entre as equipas dos doodles da Google, da Google Spotlight Stories, do Google Arts & Culture e da Cinemateca Francesa. A data escolhida deve-se ao facto de esta quinta-feira se assinalarem os 112 anos do lançamento do filme  ‘À la conquête du pôle (À conquista do Polo), lançado no dia 3 de maio de 1912.

Georges Méliès foi pioneiro em muitas técnicas de ficção nos primeiros tempos do cinema, principalmente na utilização de efeitos especiais — é mesmo conhecido como “o pai dos efeitos especiais” — e na criação de alguns dos primeiros filmes de ficção científica.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Google

O próximo fim do mundo

João Pires da Cruz
135

Não, o fim do mundo que vem aí por a Google ter uma licença bancária não será o pior dos fins do mundo. Achar que com as suas bases de dados vai esmagar o mercado é mesmo porque não se aprendeu nada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)