Vitória de Guimarães

João Aurélio nega envolvimento em viciação de resultados

O futebolista João Aurélio, do Vitória de Guimarães, negou qualquer envolvimento num esquema de viciação de resultados em benefício do Sporting, como foi noticiado na quarta-feira.

JOSE COELHO/LUSA

O futebolista João Aurélio, do Vitória de Guimarães, negou qualquer envolvimento num esquema de viciação de resultados em benefício do Sporting, como foi noticiado na quarta-feira.

“Face às notícias veiculadas pelos órgãos de comunicação social, envolvendo o meu nome, sou a informar que as nego veementemente, pois sou completamente inocente. Desconheço, por completo, as razões para as referências ao meu nome. Não conheço, não sei quem são e nunca tive qualquer contacto ou qualquer abordagem, por parte desses nomes indiciados nas notícias, alegadamente relacionados com o Sporting”, lê-se em comunicado.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve quatro pessoas na quarta-feira, incluindo o diretor para o futebol do Sporting, André Geraldes, e efetuou buscas na SAD do Sporting, em Lisboa, por “suspeitas de corrupção ativa”, no âmbito de uma operação denominada ‘Cashball’.

“Estranhando que, até este momento, nunca tenha sido chamado a prestar declarações às entidades competentes, informo que instruí o meu advogado para agir judicial e criminalmente contra todos aqueles que, por qualquer forma, lançaram ou difundiram essas falsas insinuações”, acrescenta João Aurélio, exigindo celeridade ao Estado e às autoridades judiciais no apuramento da verdade de forma a retirar o seu nome do que classifica de “lamaçal”.

O jogador termina agradecendo as manifestações de apreço e solidariedade de que foi alvo, nomeadamente de colegas de profissão, Sindicato dos Jogadores, e em especial, do Vitória de Guimarães, clube que diz representar “com enorme orgulho e respeito”.

A investigação da PJ levou à detenção do ‘team manager’ do Sporting, André Geraldes, e também de Paulo Silva, suposto intermediário em casos de alegada corrupção em jogos de andebol e de futebol, e de João Gonçalves e Gonçalo Rodrigues, funcionário do clube.

Segundo o Correio da Manhã, a investigação do Ministério Público incide sobre vários jogos de futebol, nomeadamente o da terceira jornada da I Liga desta época, entre o Vitória de Guimarães e o Sporting, que os ‘leões’ venceram por 5-0. O jornal cita conversações que alegadamente implicam o defesa João Aurélio, jogador do Vitória que terá sido aliciado para facilitar o triunfo do clube lisboeta.

Além deste, estarão também em causa os restantes cinco jogos do Sporting nas seis primeiras jornadas na presente época da I Liga, com Desportivo das Aves, Vitória de Setúbal, Estoril Praia, Feirense e Tondela. Os arguidos deste caso estão detidos nas instalações da PJ do Porto e deverão ser ouvidos na quinta-feira no tribunal de instrução criminal.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)