Jardim Zoológico

Jardim Zoológico vai fazer participação à PSP na sequência da morte de girafa

1.343

Jardim Zoológico vai fazer participação à PSP da situação que aconteceu no sábado. Um visitante, já identificado pela PSP, tentou dar comida a uma girafa, que acabou por cair no fosso e morrer.

A subespécie está classificada como vulnerável, devido à perda de habitat e à caça

© Hugo Amaral/Observador

O Jardim Zoológico de Lisboa vai fazer participação à Polícia de Segurança Pública (PSP) da situação ocorrida no sábado, quando um visitante tentou dar comida a uma girafa-de-Angola, provocando a sua morte, informou fonte do Jardim Zoológico ao Observador. Ao tentar aproximar-se de um visitante que quis dar-lhe comida, a girafa-de-Angola acabou por cair no fosso que separa os animais dos visitantes. A queda foi fatal.

O visitante foi identificado pela PSP, “encontrando-se o caso em apreciação”, revelou fonte do Jardim Zoológico num comunicado emitido esta terça-feira. Também as testemunhas que se encontravam no local foram identificadas. Foi ainda aberto um processo de averiguação interno.

Os resultados da necropsia já realizada permitiram concluir que a morte da girafa-de-Angola foi provocada por colapso cardiorrespiratório, na sequência da queda. A girafa tinha 11 anos e cinco meses e nasceu no Jardim Zoológico de Lisboa.

A morte desta girafa que nasceu no nosso Zoo, representa uma perda incalculável para todos os elementos do parque. A girafa-de-angola é uma das espécies mais emblemáticas e uma das mais queridas dos nossos visitantes”, disse o administrador do Jardim Zoológico, Carlos Agrela Pinheiro, em comunicado.

A subespécie, de nome científico giraffa camelopardalis angolensis, está classificada como vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza, devido à perda de habitat e à caça. Só existem em três jardins zoológicos na Europa: Lisboa, Dortmund, na Alemanha, e em Amersfoort-Utrecht, na Holanda. As girafas-de-Angola são provenientes, como o nome indica, de Angola, uma vez que não existem noutros locais do mundo.

Os responsáveis do Jardim Zoológico voltaram a lamentar no comunicado desta terça-feira que “apesar dos inúmeros avisos dispersos por todo o Zoo, incluindo instalações, bilheteiras, folhetos e vídeos de apresentação de regras do parque” os visitantes, desde crianças a adultos continuem a “alimentar os animais, desrespeitando as normas de segurança definidas”.

Cria já não era amamentada mas ainda estava dependente da progenitora

A girafa-de-Angola que morreu este sábado deu à luz, a 16 de novembro do ano passado, depois de uma gestação de 15 meses. Apesar de já comer sozinha (esta subespécie costuma ser amamentada até aos oito meses de vida), a cria de seis meses ainda estava dependente da progenitora. As crias das girafas-de-Angola permanecem dependentes até aos dois anos de idade.

O facto desta girafa ter sido mãe em Novembro do ano passado, transtorna-nos ainda mais. A cria que já se alimenta sozinha, continuará integrada no restante grupo”, acrescentou também Carlos Agrela Pinheiro, em comunicado.

A cria nasceu com quase 1,90 metros de altura e foi apadrinhada pela TAAG – Linhas Aéreas de Angola, que contribui já para a sua alimentação e cuidados diários.  O nascimento da girafa-de-Angola e os primeiros passos foram filmados pelo próprio treinador da mãe. “É a melhor forma de o fazer, porque as girafas estão habituadas àquela pessoa [ao treinador] e a mãe ficou tranquila enquanto o tratador filmava”, explicou na altura José Dias Ferreira, coordenador dos mamíferos do Zoo de Lisboa, à agência Lusa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)