Rádio Observador

Jardim Zoológico

Jardim Zoológico vai fazer participação à PSP na sequência da morte de girafa

1.343

Jardim Zoológico vai fazer participação à PSP da situação que aconteceu no sábado. Um visitante, já identificado pela PSP, tentou dar comida a uma girafa, que acabou por cair no fosso e morrer.

A subespécie está classificada como vulnerável, devido à perda de habitat e à caça

© Hugo Amaral/Observador

O Jardim Zoológico de Lisboa vai fazer participação à Polícia de Segurança Pública (PSP) da situação ocorrida no sábado, quando um visitante tentou dar comida a uma girafa-de-Angola, provocando a sua morte, informou fonte do Jardim Zoológico ao Observador. Ao tentar aproximar-se de um visitante que quis dar-lhe comida, a girafa-de-Angola acabou por cair no fosso que separa os animais dos visitantes. A queda foi fatal.

O visitante foi identificado pela PSP, “encontrando-se o caso em apreciação”, revelou fonte do Jardim Zoológico num comunicado emitido esta terça-feira. Também as testemunhas que se encontravam no local foram identificadas. Foi ainda aberto um processo de averiguação interno.

Os resultados da necropsia já realizada permitiram concluir que a morte da girafa-de-Angola foi provocada por colapso cardiorrespiratório, na sequência da queda. A girafa tinha 11 anos e cinco meses e nasceu no Jardim Zoológico de Lisboa.

A morte desta girafa que nasceu no nosso Zoo, representa uma perda incalculável para todos os elementos do parque. A girafa-de-angola é uma das espécies mais emblemáticas e uma das mais queridas dos nossos visitantes”, disse o administrador do Jardim Zoológico, Carlos Agrela Pinheiro, em comunicado.

A subespécie, de nome científico giraffa camelopardalis angolensis, está classificada como vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza, devido à perda de habitat e à caça. Só existem em três jardins zoológicos na Europa: Lisboa, Dortmund, na Alemanha, e em Amersfoort-Utrecht, na Holanda. As girafas-de-Angola são provenientes, como o nome indica, de Angola, uma vez que não existem noutros locais do mundo.

Os responsáveis do Jardim Zoológico voltaram a lamentar no comunicado desta terça-feira que “apesar dos inúmeros avisos dispersos por todo o Zoo, incluindo instalações, bilheteiras, folhetos e vídeos de apresentação de regras do parque” os visitantes, desde crianças a adultos continuem a “alimentar os animais, desrespeitando as normas de segurança definidas”.

Cria já não era amamentada mas ainda estava dependente da progenitora

A girafa-de-Angola que morreu este sábado deu à luz, a 16 de novembro do ano passado, depois de uma gestação de 15 meses. Apesar de já comer sozinha (esta subespécie costuma ser amamentada até aos oito meses de vida), a cria de seis meses ainda estava dependente da progenitora. As crias das girafas-de-Angola permanecem dependentes até aos dois anos de idade.

O facto desta girafa ter sido mãe em Novembro do ano passado, transtorna-nos ainda mais. A cria que já se alimenta sozinha, continuará integrada no restante grupo”, acrescentou também Carlos Agrela Pinheiro, em comunicado.

A cria nasceu com quase 1,90 metros de altura e foi apadrinhada pela TAAG – Linhas Aéreas de Angola, que contribui já para a sua alimentação e cuidados diários.  O nascimento da girafa-de-Angola e os primeiros passos foram filmados pelo próprio treinador da mãe. “É a melhor forma de o fazer, porque as girafas estão habituadas àquela pessoa [ao treinador] e a mãe ficou tranquila enquanto o tratador filmava”, explicou na altura José Dias Ferreira, coordenador dos mamíferos do Zoo de Lisboa, à agência Lusa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)