Há quatro anos que se fala nisso, mas o regulamento para o setor não há maneira de ver a luz do dia. Por isso mesmo, e para lembrarem o presidente da Câmara Municipal de Lisboa que os tuk-tuk são parte importante da economia da cidade, a associação que os representa decidiu oferecer viagens este domingo. A notícia é avançada pelo Público. Os tuk-tuk disponíveis para viagens gratuitas vão estar na Praça do Comércio entre as 9h30 e as 15h30.

Assim, pela segunda vez no último ano e meio, há viagens de tuk-tuk grátis em Lisboa, iniciativa da Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Evento. As suas queixas são muitas: as empresas de tuk-tuks queixam-se de serem perseguidas pela Polícia Municipal, pela PSP e pela EMEL por não existir um regulamento.

Por outro lado, discordam da proibição de entrar em bairros históricos como o Bairro Alto, Alfama e Castelo, ainda mais se a frota passar a ser totalmente eléctrica, como se prevê no rascunho de regulamento. Neste momento, garante João Tarrana, coordenador do Departamento de Operadores de Veículos Motorizados da APECATE, “60 a 70% dos tuks já são eléctricos” e são uma marca turística da cidade.

“A câmara tem essa noção”, afirma, citado pelo Público. Mas admite que “não é fácil chegar a um consenso com presidentes de junta, moradores, comerciantes, empresas de tuks”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A criação de um regulamento está em stand-by há quatro anos apesar de diferentes vereadores terem garantido, em diversos momentos, que ele estaria para breve. A verdade é que o regulamento continua na gaveta, apesar de no início de 2017 a autarquia ter submetido uma primeira versão a consulta pública, na qual se apontava a obrigatoriedade de todos os tuk-tuks serem eléctricos até meio do ano.

A versão final, já com todos os contributos da consulta pública, deveria ter chegado à assembleia municipal no início do novo mandato, em outubro, o que não aconteceu. O assunto está agora nas mãos do novo vereador da Mobilidade, Miguel Gaspar, segundo escreve o Público.