Observador

Maio foi mês de todos os recordes no Observador

757

O primeiro mês do programa de assinaturas Observador Premium foi, ao mesmo tempo, o nosso melhor de sempre: 5,6 milhões de utilizadores, 14,1 milhões de visitas, mais de 64 milhões de páginas vistas.

Foi em Maio que celebrámos quatro anos de existência, foi em Maio que lançámos o programa Observador Premium e foi em Maio que obtivemos os melhores resultados de sempre nos três indicadores mais importantes medidos pelo Google Analytics, o standard internacional para a medição do alcance dos sites online. Em Maio de 2018 o site do Observador foi acedido por 5,6 milhões de utilizadores diferentes ou, para ser mais exacto, por 5,6 milhões de máquinas diferentes. Este número deverá corresponder a perto de quatro milhões de leitores, estimando-se que três milhões o tenham feito a partir de Portugal.

Estes utilizadores geraram 14,1 milhões de visitas ao site e appspermitindo chegar a um impressionante total de mais de 64 milhões de páginas vistas (“pageviews”). Estes resultados são especialmente significativos já que, a partir de 2 de Maior, um conjunto selecionado de artigos do Observador passou a ter o seu acesso limitado a 7 visualizações por mês para os não assinantes. Esse limite não impediu que dois artigos premium tivessem sido lidos por mais de 70 mil pessoas.

No mês de arranque o programa Premium está também a superar as nossas expectativas. No entanto, como ainda decorre, até ao final deste mês de Junho, o período promocional de lançamento, é ainda prematuro divulgarmos os primeiros números, sendo certo que são muito auspiciosos.

Em Maio o Observador editou uma revista em papel, de grande formato, assinalando o nosso 4º aniversário, onde se reúnem alguns dos melhores textos do último ano e mais alguns trabalhos originais. Ainda à venda nas bancas.

Comparando Maio de 2018 com Maio de 2017, a evolução é também muito significativa: mais 20% de visitas, mais 35% de utilizadores únicos e mais 20% de visualizações de páginas. No acumulado dos primeiros cinco meses de 2018 os números ainda são melhores: mais 28% de visitas, mais 43% de utilizadores únicos e mais 20% de visualizações de páginas.

Se considerarmos agora os cinco primeiros meses de 2018 do Observador, contabilizámos um total de 63,7 milhões de visitas, o que corresponde a uma média diária de 420 mil entradas diferentes no nosso site, ou seja, o Observador terá sido lido por mais de 300 mil pessoas todos os dias.

Estes números de Maio consolidam a posição de liderança que o Observador alcançou nos seus primeiros quatro anos de existência no conjunto da informação de referência em Portugal, o que é ainda reforçado por sermos o jornal regularmente com maior tempo médio por visita, um indicador medido pela SimilarWeb. Estes resultados indicam que o lançamento do programa de assinaturas Premium não abalou essa nossa posição, pelo contrário.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Política

As direitas a que Portugal tem direito /premium

Alberto Gonçalves
1.444

Visto que em Portugal a direita se define por ser tudo aquilo de que a esquerda não gosta, eu defino-me por não gostar de tudo aquilo o que a esquerda é. Quanto à direita, tem dias. E tem direitas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)