Em menos de um mês, Rajoy passou do tudo ao nada. É nestes termos que o jornal El País descreve a trajetória do ex-presidente do Governo espanhol que bate a porta à política depois de ter sido afastado numa moção de censura apresentada pelo atual primeiro-ministro, o líder do PSOE, Pedro Sánchez, na sequência de escândalos de corrupção que envolveram o PP.

Para além de abandonar o Governo e a liderança do Partido Popular (PP), tendo convocado eleições para escolher o novo presidente, Rajoy renunciou também ao cargo de deputado e já não será o líder da oposição a Sanchés no debate da próxima quarta-feira. O El País acrescenta que o antigo líder do Governo espanhol também deverá abdicar do direito de entrar no Conselho de Estado.

Mariano Rajoy, que foi líder do Governo de Espanha durante sete anos, pediu para regressar à sua função como conservador do registo de propriedades, conta o El País. O jornal recorda que o antigo presidente do PP exercia esta profissão na cidade de Santa Pola na província de Alicante (sul de Espanha) entre 1987 e 1989, quando foi desafiado pelo então líder do Partido Popular, José María Aznar para regressar à política, tendo sido eleito para o congresso (o parlamento espanhol). Rajoy pode pedir transferência para uma conservatória em Madrid.

O PP vai realizar um congresso extraordinário nos dias 20 e 21 de julho para escolher o sucessor de Mariano Rajoy.