Mariano Rajoy

Rajoy. De presidente do Governo espanhol a conservador do registo de propriedades

Depois de deixar liderança do PP, Mariano Rajoy também renuncia a cargo de deputado. El País conta que ex-presidente do Governo espanhol pediu para voltar a ser conservador do registo de propriedade.

Juanjo Martin/EPA

Em menos de um mês, Rajoy passou do tudo ao nada. É nestes termos que o jornal El País descreve a trajetória do ex-presidente do Governo espanhol que bate a porta à política depois de ter sido afastado numa moção de censura apresentada pelo atual primeiro-ministro, o líder do PSOE, Pedro Sánchez, na sequência de escândalos de corrupção que envolveram o PP.

Para além de abandonar o Governo e a liderança do Partido Popular (PP), tendo convocado eleições para escolher o novo presidente, Rajoy renunciou também ao cargo de deputado e já não será o líder da oposição a Sanchés no debate da próxima quarta-feira. O El País acrescenta que o antigo líder do Governo espanhol também deverá abdicar do direito de entrar no Conselho de Estado.

Mariano Rajoy, que foi líder do Governo de Espanha durante sete anos, pediu para regressar à sua função como conservador do registo de propriedades, conta o El País. O jornal recorda que o antigo presidente do PP exercia esta profissão na cidade de Santa Pola na província de Alicante (sul de Espanha) entre 1987 e 1989, quando foi desafiado pelo então líder do Partido Popular, José María Aznar para regressar à política, tendo sido eleito para o congresso (o parlamento espanhol). Rajoy pode pedir transferência para uma conservatória em Madrid.

O PP vai realizar um congresso extraordinário nos dias 20 e 21 de julho para escolher o sucessor de Mariano Rajoy.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)