Crise dos Refugiados

Navio da ONG Lifeline está retido em Malta e capitão foi interrogado

O navio da ONG alemã Lifeline, que atracou na quarta-feira em Malta para desembarcar 233 imigrantes, foi retido como medida de precaução e o seu capitão, Claus-Peter Reisch, foi interrogado.

DOMENIC AQUILINA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O navio da ONG alemã Lifeline, que atracou na quarta-feira em Malta para desembarcar 233 imigrantes, foi retido como medida de precaução e o seu capitão, Claus-Peter Reisch, foi interrogado durante a noite, avançou o jornal Maltatoday esta quinta-feira.

O diário maltês, citando fontes próximas da investigação, referiu que as autoridades estão a tentar esclarecer a quem realmente pertence o navio e investiga-se também porque o barco agiu como um navio de resgate quando está registado como barco de recreio na Holanda. Até ao momento, nenhuma ação foi tomada contra os oito membros da tripulação e um fotógrafo italiano que estavam a bordo.

Todos os imigrantes, incluindo 17 mulheres e cinco crianças, foram levados para um abrigo em Marsa, com exceção de três crianças e um adulto que foram hospitalizados. Entre os imigrantes havia um rapaz de dois anos e meio que viajava sozinho e não se sabe onde está o resto da família.

O primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, já havia anunciado que uma investigação seria aberta contra o capitão por não ter atendido as ordens dadas pelos Centros de Coordenação de Resgate da Líbia e de Itália.

A organização não-governamental alemã respondeu que essas acusações “são falsas”. “É importante sublinhar que a única ordem que o navio se recusou foi a entregar pessoas ao chamado Serviço de Guarda Costeira da Líbia, já que este não respeita a Convenção de Genebra sobre os Refugiados e, portanto, é ilegal”, acrescentou a ONG.

A organização explicou que, a 21 de junho, “depois de solicitar às autoridades líbias a que porto seguro poderia dirigir-se, o navio recebeu a resposta, referindo que deveria desembarcar em Trípoli, o que teria sido uma violação do princípio de não-devolução”.

O primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, anunciou esta quinta-feira que permitiria o acesso do barco da ONG ao seu porto, após chegar a um acordo para distribuir os refugiados por oito países da União Europeia (Malta, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Portugal, França, Bélgica e Holanda).

O caso lembra o que viveu a ONG espanhola Open Arms, que depois de passar vários dias a esperar para desembarcar, o navio foi retido e o seu capitão e a responsável da missão investigados por facilitar a imigração ilegal. O navio da Open Arms foi finalmente libertado, mas a investigação sobre o capitão e da agente humanitária continua.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

FC Porto

João Félix (e youth league) /premium

João Marques de Almeida
145

Uma mensagem para todos os portistas. Vamos dar os parabéns ao Benfica, esquecer os árbitros, ganhar ao Sporting na final da Taça e apostar nos nossos jovens jogadores nas próximas épocas. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)